Arquivo/AE
Arquivo/AE

César Cielo garante que não tem medo de ninguém no Mundial

Ouro em Pequim 2008, nadador brasileiro encara com naturalidade a condição de favorito na etapa de Roma

Fabrício Lima, Agencia Estado

16 de julho de 2009 | 07h22

Nos Jogos Olímpicos de Pequim, César Cielo mostrou ao mundo que não se intimida em grandes competições, muito pelo contrário. São as difíceis que lhe dão mais prazer. E foi assim, com muita personalidade, que ele ganhou a medalha de ouro nos 50 metros livre e o bronze nos 100 metros livre. Em Roma, na próxima semana, Cielo vai nadar seu segundo Mundial em piscina longa. E, pela primeira vez, chegará a um grande torneio com o peso de ser favorito. Mas ele não se importa e até acha que poderá tirar proveito disso.

"Medo? Não tenho medo de ninguém. Como eu já ganhei uma vez, sei o que preciso fazer para ganhar de novo", garantiu o nadador de Santa Barbara D´Oeste (interior de São Paulo), que largou o judô e o vôlei para encontrar a alegria na natação. "Minha dúvida é se vou conseguir me manter no topo. Não preciso mais me preocupar em chegar ao topo. Eu vejo isso de forma positiva".

Por ser um velocista da natação, já que seu forte são os 50 metros e os 100 metros livre, Cielo sabe que não há como controlar os adversários. Mas ele tem certeza de que a longa e desgastante temporada de treinos lhe dará a chance de melhorar seus tempos. Assim, a medalha de ouro nos 50 metros livre seria apenas uma consequência.

"Estou sempre em busca da minha melhor marca. O problema comigo é que não me concentro muito quando não tem muita coisa em jogo", contou. "Quando a competição é menor, eu acabo não me concentrando como em uma final de Mundial. Espero que a performance me dê o melhor tempo do torneio e que eu consiga a medalha de ouro", completou.

Cielo já conhece perfeitamente seus adversários nos 50 metros e nos 100 metros livre. A equipe francesa - que conta com o recordista mundial dos 50 metros, Frederick Bousquet (20s94) - é uma grande ameaça. "Mas os 50 metros serão uma prova contra mim mesmo, em busca da perfeição para ganhar. É tudo muito rápido". Já nos 100 metros, os resultados do francês Alain Bernard, ouro em Pequim, intimidam. "Ele mostrou que está bem. Independentemente do tempo, ele acaba mostrando uma imagem de vencedor", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.