César Maia dá "nota zero" para o COI

Um dia após a eliminação do Rio da disputa para ser a sede dos Jogos Olímpicos de 2012, o prefeito carioca Cesar Maia foi mais incisivo e não poupou de severas críticas a decisão do Comitê Olímpico Internacional (COI). Na terça-feira, ele já havia afirmado para a Agência Estado que o desejo dos dirigentes sempre foi o de levar a Olimpíada para a Europa e, hoje, deu "nota zero" para a atitude da entidade. "Na verdade houve uma decisão implícita de levar para o coração da Europa os Jogos Olímpicos de 2012. Foi um ato político", disse Maia, que ratificou a decisão de a cidade se candidatar à Olimpíada de 2016. "Dou nota zero para a atitude do COI e não aceito os argumentos apresentados para justificar as notas baixas do Rio." De acordo com o prefeito, o COI errou ao dizer que o Rio de Janeiro não possui, por exemplo, uma estrutura hoteleira. Lembrou que todos os investimentos para modernizar a cidade seriam feitos para os Jogos de 2012. "Me diga quantos hotéis tem em Pequim (sede da Olimpíada de 2008).Estive lá esse ano e só possui um grande hotel. Eles vão se preparar, agora, que ganharam", afirmou o prefeito. "Então, se Pequim não tem hotel, não tem estrutura, a exemplo de Barcelona, em 1992, porque somente o Rio deveria ter?" Sem esconder a decepção, Maia tentou relativizar e lembrou, "como economista", que pelo menos a cidade "lucrará" R$ 50 milhões por já ter sido desclassificada. Esse era o valor previsto para ser investido na candidatura carioca até a decisão final em julho de 2005. "Já que era para levar os Jogos para a Europa, foi melhor sair agora. E falo isso como economista, porque deixaremos de gastar R$ 50 milhões", frisou Maia. "Grande parte desse dinheiro seria utilizado para contratar uma empresa internacional que nos ajudaria a preparar o dossiê."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.