Chega ao fim greve de atividades na NFL

Maior controvérsia foi a forma em como dividir aproximadamente US$ 9 bilhões de receitas

Efe

25 de julho de 2011 | 08h52

WASHINGTON - Após pouco mais de quatro meses de greve, a Associação de Jogadores da NFL e os proprietários de equipes acertaram um novo contrato de trabalho válido por dez anos.

Fontes ligadas a ambas as partes assinalaram que a greve da NFL chegou a seu fim depois que no dia 11 de março passado se informou do início da mesma.

As fontes dizem que o novo contrato ainda requer uma votação majoritária dos jogadores, mas essa é considerada uma parte só por formalidade.

A Associação de Jogadores está pensando em convocar uma entrevista coletiva na segunda-feira para anunciar de maneira oficial o acordo.

O diretor-executivo da Associação, DeMaurice Smith, está consciente de que os jogadores confiarão seu voto a favor do acordo, e além disso até hoje não houve nenhum contrato que os jogadores tenham rejeitado após ter sido aprovado por seus líderes.

Uma vez que os jogadores ratifiquem o acordo, iniciarão os treinamentos e as negociações de agência livre.

Por sua vez, os proprietários de equipes estiveram de acordo em que a associação convoque seus jogadores às instalações das equipes para realizar as votações na quarta-feira.

De acordo sempre com versões de fontes ligadas à associação e à NFL, espera-se que depois que se tenham os votos suficientes, os jogadores de algumas equipes poderiam ser chamados aos campos de treinamento.

Esta foi a primeira greve de atividades no futebol americano desde 1987.

O ponto de maior controvérsia foi a forma em como deveriam dividir aproximadamente US$ 9 bilhões (cerca de R$ 14 bilhões) em receita anual.

Outros temas-chave foram que os proprietários de equipes pretendiam ampliar a temporada de 16 para 18 partidas por equipe; reduzir dois jogos da pré-temporada; impor uma escala salarial para jogadores novatos, e o tema dos lucros para jogadores aposentados.

O acordo detalhado ao qual chegaram ambas as partes em cada um desses pontos ainda não foi divulgado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.