Staff Imagens / Flamengo
Staff Imagens / Flamengo

Cheio de desfalques, Flamengo encara o Cruzeiro de olho em vaga na Libertadores

Comissão técnica preferiu não adiantar retorno de Juan após lesão

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

08 Novembro 2017 | 07h46

Sem vencer há três jogos no Campeonato Brasileiro e no limite da zona de classificação à Copa Libertadores do próximo ano, o Flamengo tem uma missão difícil nesta quarta-feira, às 21h45, no estádio Luso-Brasileiro, no Rio de Janeiro. O time recebe o Cruzeiro pela 33.ª rodada precisando vencer e recheado de desfalques. O técnico colombiano Reinaldo Rueda não poderá contar com seis jogadores considerados titulares.

+ Rueda descarta Juan e confirma jovem Lincoln como opção para quarta

+ Rafael Sóbis volta a ser relacionado e pode reforçar o Cruzeiro

Entre as ausências estão os dois principais artilheiros do time. O meia Diego está a serviço da seleção brasileira, enquanto que o atacante peruano Paolo Guerrero foi suspenso provisoriamente pela Fifa por suspeita de doping. Além deles, estão fora os zagueiros Réver e Juan e o atacante colombiano Berrío, todos lesionados. Para completar, o lateral-esquerdo Trauco está com a seleção do Peru.

Reinaldo Rueda lamenta. "Não é fácil jogar sem cinco jogadores titulares. Qual equipe joga sem Juan, Réver, Diego, Berrío e Paolo?", comentou o treinador. "Não é fácil jogar sem goleador. O maior artilheiro nosso no Brasileiro é o Diego, com oito gols. Paolo tem seis".

Juan, em fase final de recuperação de lesão muscular, até poderia jogar nesta quarta-feira, mas o técnico prefere a cautela. "Ele está em transição. Já saiu do departamento médico, mas ainda não está 100%. Melhor prevenir e esperar para ver se pode ir para o próximo jogo", ponderou Reinaldo Rueda.

Apesar dos desfalques, o técnico colombiano se mostra ciente da necessidade da vitória, sobretudo após a derrota na última rodada, quando cedeu a virada para o Grêmio após duas falhas na defesa. Sobre isso, demonstrou resignação. "Falo para os jogadores: o médico opera, salva uma vida e 48 horas depois tem outra vida para salvar. É a nossa situação", disse Reinaldo Rueda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.