Chelsea busca vaga e 1º lugar para dar um pouco mais de paz a Felipão

"Se não ganhamos do Cluj, pego minhas coisas e volto para o Brasil." A frase de Felipão, de dias atrás, mostra sua confiança em um triunfo do Chelsea (8 pontos, em segundo na chave) sobre os romenos (4), hoje, em Stanford Bridge. O triunfo garante classificação às oitavas da Copa dos Campeões e pode também valer o 1º lugar, caso a Roma (9) tropece no Bordeaux (7), que só avança se ganhar.Mas, na verdade, Felipão começa a sofrer com os tropeços e com as cobranças da imprensa inglesa. Após início arrasador, entrevistas cheias de brincadeiras e clima no maior alto astral, agora ele é bastante cobrado, principalmente por seu time ter somado apenas dois pontos nos quatro clássicos disputados, todos em Stanford Bridge. Ontem, o brasileiro se esforçou para demonstrar que a paz reina no clube. Diminuiu o impacto de um possível resultado negativo e garantiu não estar atuando sob pressão. "Não é o jogo mais importante da temporada. É apenas mais um", disse. "Se perdermos e ficarmos fora da Liga dos Campeões, não vou me sentir bem. Nada mais que isso. O futebol é assim."O trabalho no Brasil foi o escudo no assunto pressão. "Você sabe quantas pessoas vivem no Brasil? Lá, todas são técnicos", afirmou. "Trabalhei no futebol brasileiro e se você pensa que aqui há pressão? A pressão é zero."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.