Chicago: afastamento de desavenças entre COI e EUA por 2016

Membros do Comitê Olímpico Internacional dizem que EUA recebem demais e pedem distribuição de receitas

Steve Keating, REUTERS

24 de março de 2009 | 11h48

Dirigentes da candidatura olímpica de Chicago tentaram distanciar a cidade de uma disputa por divisão de receitas entre o Comitê Olímpico Internacional e o Comitê Olímpico dos Estados Unidos, que ameaça prejudicar a proposta na corrida pela sede da Olimpíada de 2016.

O presidente da candidatura Chicago 2016, Pat Ryan, agiu rapidamente para encaminhar a proposta, afirmando que convidou o presidente Barack Obama para participar da apresentação final da cidade, em Copenhague, no dia 2 de outubro, antes da votação que decidirá a cidade vencedora.

Chicago concorre com Rio de Janeiro, Madri e Tóquio pelo direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Esta semana as quatro finalistas terão um momento decisivo do processo, quando apresentarão suas credenciais ao COI e aos membros da Associação das Federações Internacionais dos Esportes Olímpicos. Em abril, começam as visitas de inspeção do comitê de avaliação do COI.

"Estive com ele [Obama] duas vezes nos últimos meses e ele mencionou seu apoio à candidatura", disse Ryan a repórteres. "Sabemos que ele quer apoiar nossa proposta e que ele gostaria de estar lá se puder estar."

Os problemas econômicos globais e uma crescente disputa sobre como as receitas olímpicas deveriam ser divididas prometem dominar as conversas esta semana da conferência SportAccord e da reunião do conselho executivo do COI, ambas em Denver.

Membros do COI argumentam que os EUA recebem uma parcela exagerada dos contratos globais de marketing e das receitas dos direitos de TV da Olimpíada. Eles buscam uma distribuição mais justa das receitas olímpicas.

O comitê dos EUA alega que recebe uma fatia maior porque são os contratos com emissoras e empresas norte-americanas que representam mais de 50 por cento dos ganhos do COI.

As negociações devem continuar esta semana, mas nenhuma conclusão é esperada, o que pode levar os membros do COI a descontarem sua frustração na candidatura de Chicago. Ryan negou que a disputa tenha se tornado uma distração, mas disse que espera por uma solução rápida. "Não acho que seja uma grande distração", disse ele. "Claro que isso é algo que as pessoas querem que seja resolvido. Nós queremos que seja resolvido, e o Comitê Olímpico dos EUA também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.