China apresenta plano de emergência contra poluição nos Jogos

A China anunciou a adoção de novasmedidas emergenciais dentro e nas cercanias de Pequim para ocaso de haver uma quantidade excessiva de poluição atmosféricadurante os Jogos Olímpicos. Entre as novas medidas, incluem-se tirar mais carros dasruas e paralisar as atividades de mais 220 fábricas. O plano radical será colocado em prática se surgiremprevisões a respeito de uma queda na qualidade do ar abaixo dospadrões aceitáveis nas 48 horas seguintes devido a "condiçõesmeteorológicas extremamente desfavoráveis", afirmou oMinistério da Proteção Ambiental. Uma névoa embaçada recobriu Pequim durante a maior parte daúltima semana, mas autoridades chinesas tentaram acalmar osânimos, culpando pelo fenômeno um período excepcionalmentelongo de calor e de umidade, algo que não deve se repetirdurante os Jogos, de 8 a 24 de agosto. O problema crônico em Pequim da poluição, uma fonte dedoenças respiratórias, transformou-se em um dos maiores motivosde preocupação para os organizadores dos Jogos, que nãoconseguiram afastar as críticas vindas do exterior em vista dabaixa qualidade do ar, apesar das medidas adotadas para minoraros danos ambientais gerados pelo acelerado crescimentoeconômico da China. O governo chinês já retirou de circulação quase metade dafrota de 3,3 milhões de carros da cidade -- ao determinar que,a cada dia, de forma alternada, apenas veículos com placa definal par ou ímpar podem trafegar -- e fechou fábricaslocalizadas a dezenas de quilômetros de distância. No entanto, pelos planos mais recentes de emergência, umnúmero ainda maior de moradores da cidade seria obrigado a usaro transporte público. Somando-se ao esquema de placas pares e ímpares, o plano decontingência prevê que os carros cujo final da placa combinecom a data em questão não poderão circular nesse dia, afirmou oministério em um comunicado divulgado em seu site.O sistema de placas pares e ímpares também seria ampliado paraincluir a cidade de Tianjin e quatro áreas urbanas da Provínciade Hebei, que cerca Pequim, disse o comunicado. Um total de 105 fábricas dos setores eletrônico, químico,de móveis e de material de construção localizadas em Pequimdeve suspender total ou parcialmente as atividades poluentes,afirmou. Em Tianjin, 56 termelétricas alimentadas com carvão eoutras fábricas devem ser afetadas. Em Hebei, o número seria de61. E as pequenas fábricas de aço teriam de diminuir suasatividades de forma significativa. As medidas, que podem entrar em vigor durante a Olimpíada ea Paraolimpíada (6 a 17 de setembro), visam garantir "ocumprimento real das promessas sobre proteção ambiental" feitaspor Pequim em seu projeto olímpico, afirmou o comunicado. O Comitê Olímpico Internacional (COI) disse que poderemarcar provas de resistência tais como a maratona a fim denão prejudicar a saúde dos atletas. (Reportagem de Guo Shipeng)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.