China minimiza risco de doping por carne contaminada

Um importante dirigente antidoping da China minimizou as preocupações sobre atletas que deram positivo por substâncias proibidas por comer carne chinesa contaminada com esteroides. Subdiretor da Agência Antidoping da China, Zhao Jian disse que os países europeus estão exagerando com as preocupações sobre a possibilidade de que se detectem rastros de clembuterol em exames de atletas.

AE-AP, Agência Estado

12 de abril de 2011 | 10h47

A China supervisiona de perto a qualidade dos alimentos utilizados por atletas durante seu treinamento e competições, e a possibilidade de que haja um exame que dê positivo por acidente é "muito baixa", disse Zhao.

"Não há nada com que se preocupar", afirmou Zhao. A qualidade da comida para atletas chineses é estritamente controlada e, dado o amplo número de eventos esportivos que são realizados na China, os problemas "foram expostos muitos mais cedo se algum alimento estiver contaminado", disse.

Zhao respondeu a um recente relatório da Agência Antidoping Alemã que alertava aos atletas que a carne no México estava ainda mais contaminada com clembuterol que na China. Vários casos recentes, inclusive o do ciclista espanhol Alberto Contador, levantaram a possibilidade de que a carne contaminada com esteroides seja um fator que pode interferir no resultado dos exames antidoping.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacarnedoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.