China mobiliza tropas de choque para a Olimpíada

A China colocou uma força policialespecial de prontidão para garantir a tranquilidade daOlimpíada deste ano, em um sinal de que a segurança seráprioridade nos Jogos depois dos distúrbios de março no Tibete earredores. "Sem garantias de segurança não pode haver Jogos Olímpicosbem-sucedidos, e sem garantias de segurança a imagem nacionalserá perdida", disse o presidente Hu Jintao na edição deterça-feira do Noticiário da Polícia Armada do Povo, órgãooficial da tropa de choque chinesa. A "ordem política de mobilização", segundo o jornal, fazcom que os membros da Polícia Armada do Povo se preparem parauma árdua temporada de trabalho antes e durante os Jogos. "Os tambores da guerra estão soando, temos uma batalhadecisiva pela frente. Pelo bem da imagem da nação chinesa epela honra da Polícia Armada do Povo, nunca esqueçamos nossodever", disse o jornal. Kevan Gosper, do Comitê Olímpico Internacional (COI), disseque os chineses levam a segurança a sério e que os preparativosestão "excelentes". A repressão de março contra distúrbios no Tibete e emprovíncias vizinhas provocou protestos mundiais. Várias ONGsprometem manifestações durante os Jogos para chamar a atençãopara as questões do Tibete, dos direitos humanos na China e dacrise humanitária em Darfur, no Sudão (cujo governo Pequimapóia). A China diz que já conseguiu evitar atentados planejadospor separatistas muçulmanos da etnia uigur na região deXinjiang (oeste). O Congresso Mundial Uigur, com sede na Alemanha, estáfazendo campanha por um boicote à cerimônia de abertura, paraprotestar contra a suposta opressão chinesa, segundo DilxatRaxit, porta-voz da entidade. "Concordamos que a atenção dada ao Tibete é adequada, masnão esqueçam de nós, uigures, porque do contrário a China podenos reprimir com mais força", afirmou Raxit por telefone àReuters. Os gastos com segurança em grandes eventos esportivoscresceram muito desde os atentados de 11 de setembro de 2001nos EUA, mas a China diz que, usando pessoal e tecnologiapróprios, pode manter a segurança dos Jogos por um valor beminferior ao 1,8 bilhão de dólares gastos na Olimpíada de Atenasem 2004. O excesso de segurança na cerimônia de acendimento da tochaolímpica, na segunda-feira, manteve os cidadãos comuns bemafastados da praça Tiananmen e ilustrou o temor do governo deque haja distúrbios durante a Olimpíada, que o regime desejaque seja um símbolo da prosperidade e da confiança da China. (Reportagem adicional de Chris Buckley) REUTERS FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.