China traz nova geração ao Ibirapuera

A terceira etapa da Copa do Mundo de Ginástica, em São Paulo, já está servindo de treinamento forte para a geração que brigará por medalhas nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008. Uma das equipes que mais chama a atenção pelo potencial técnico é a da China, que trouxe quatro meninas, duas de 16 e duas de 17 anos.Nos treinos preparatórios para a competição, durante toda a semana, os técnicos Wang Qin Ce e Xi Jiang Lei eram os mais exigentes. As chinesas eram as primeiras a entrarem no ginásio de treinamento e as últimas a saírem.O mais difícil é conseguir se comunicar com as atletas. Nenhuma fala inglês e todas são extremamente tímidas. Esse grupo começou a ganhar oportunidades nas competições internacionais após os Jogos Olímpicos de Atenas, em agosto passado, e tem treinado duro já de olho na próxima edição da competição, que será em casa.As maiores apostas da ginástica chinesa são Pang Panpan e Yufei Zhang, ambas de 17 anos. Panpan tem como especialidade a prova de trave. E está adorando a primeira viagem ao Brasil. "Gostei muito de São Paulo, principalmente as árvores grandes que vimos", disse, referindo-se ao Parque do Ibirapuera.Zhang tinha dificuldade de se comunicar até com o tradutor. "São Paulo parece muito legal, mas quero mesmo é brigar por uma medalha aqui", declarou a atleta, que compete nas paralelas.Assim como as garotas, o técnico Wang é monossilábico: "Acho que podemos comquistar medalhas aqui. Principalmente nas paralelas. As meninas estão gostando e é nesse grupo que a China quer apostar para a Olimpíada. Estamos muito orgulhosos disso." A mascote da turma é Lili Wang, de 16 anos. "Meu sorriso é igual ao da Daiane dos Santos, olha", disse a ginasta, mostrando o aparelho nos dentes. "Gosto muito da Daiane e do Diego (Hypólito).?Eliane Martins, supervisora das seleções brasileiras, faz um alerta sobre a equipe chinesa. "Essas meninas são novas, mas são tão boas quanto as que foram para Atenas. Estou impressionada com a capacidade técnica delas. Em Pequim, daqui quatro anos, elas vão brigar por medalhas, certamente", avisou.

Agencia Estado,

08 de abril de 2005 | 18h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.