Chinês Liu Xiang viajará aos EUA para se consultar sobre lesão

Atleta ainda não se recuperou de uma lesão no tendão de Aquiles do pé direito que o tirou de Pequim 2008

EFE

22 de setembro de 2008 | 12h07

O atleta chinês Liu Xiang viajará em outubro para os Estados Unidos a fim de decidir com especialistas americanos o tratamento que receberá para se recuperar da lesão no tendão de Aquiles, que o afastou da disputa pelo ouro nos 110 metros com barreiras nos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim.Liu - ouro nos Jogos de Atenas, em 2004, e campeão mundial na prova - é o grande ídolo esportivo de seu país junto com o astro do basquete Yao Ming, e era a maior esperança chinesa de ouro nas competições de atletismo disputadas no Estádio Olímpico de Pequim, conhecido como "Ninho de Pássaro".No entanto, Liu, de 25 anos e ex-recordista mundial dos 110 m com barreiras, teve que abandonar a competição na primeira rodada, sem chegar sequer a correr, devido às dores no tendão de Aquiles de seu pé direito, no qual sofre inflamações crônicas, um abandono que causou grande comoção no país.Segundo o jornal oficial China Daily, especialistas chineses aconselharam ao atleta que passasse pela cirurgia, porque seria o modo "mais rápido e eficaz" para corrigir os problemas.No entanto, o treinador do atleta, Sun Haiping, também assessorado por outros especialistas chineses, defendeu um tratamento baseado em "massagens e na medicina chinesa tradicional".As duas partes decidiram que o conveniente seria que Liu viajasse para ouvir outras opiniões nos EUA, para onde viajará em outubro, e então a comissão técnica do atleta decidirá o tratamento a ser seguido.O pai de Liu, que participou na sexta-feira de um ato promocional do Grande Prêmio da China de Fórmula 1 junto com Yao Ming em Xangai, revelou que o atleta "continua triste com sua atuação nos Jogos Olímpicos, apesar de confiar que voltará mais forte do que nunca" depois de se recuperar da lesão.

Tudo o que sabemos sobre:
Liu XiangEUAPequim 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.