Chineses pedem boicote à França contra indepêndencia do Tibete

Chineses saíram às ruas em váriascidades neste sábado para condenar os pedidos de independênciado Tibete e pedir um boicote aos produtos franceses, após osprotestos contra o governo da China durante a passagem da tochaolímpica em Paris. Imagens da cidade central de Wuhan mostraram multidõesmarchando com cartazes de "Oponha-se à independência do Tibete,apoie as Olimpíadas" e "Diga não aos produtos franceses". Houve protestos similares em Hefei, no sudeste, e emKunming, no sudoeste do país, com manifestantes diante defiliais da cadeia de supermercados francesa Carrefour. Em Pequim, houve um pequeno protesto em um supermercado darede, mas a polícia logo interveio. "Estamos tentando despertar o patriotismo dos chineses parapermitir que eles façam um esforço pelos Jogos Olímpicos etrabalhem juntos no protesto contra as atividades separatistasdo Tibete", disse um manifestante, que não quis se identificar. Um pequeno grupo de pessoas se reuniu próximo à embaixadafrancesa para protestar contra a perturbação da passagem datocha olímpica em Paris, com cartazes que diziam: "O Tibetepertence à China" e "Calem-se, franceses". A polícia interditoua rua da embaixada e o grupo logo se dispersou. Em Paris, chineses com bandeiras em apoio às Olimpíadasprotestaram contra a maneira como a situação no Tibete vemsendo retratada na mídia ocidental. "Estou muito bravo com osfranceses. Eles são ignorantes em relação à situação noTibete", disse Xi Shengjun, que disse ser funcionário de umaempresa francesa em viagem de negócios. "Eles só sabem o queouviram de sua mídia e isso não é a verdade", afirmou. A França vem tentando minimizar o boicote a seus produtos,dizendo que ele está sendo feito apenas por uma minoria. Ojornal oficial China Daily reproduziu declarações do embaixadorfrancês na China, Herve Ladsous, que lamentou os conflitosdurante a passagem da tocha em Paris e disse que iriapessoalmente se encontrar com o atleta chinês deficienteatingido pelos protestos no país. "Eu sinto muito o queaconteceu durante a passagem da tocha em Paris", ele disse. Pequim acusa o Dalai Lama, o líder espiritual exilado doTibete, de arquitetar os protestos como parte de sua campanhapara a independência e para comprometer os Jogos Olímpicos. ODalai Lama nega as acusações e afirma querer a autonomia doTibete, não a sua independência. A edição estrangeira do People's Daily, do PartidoComunista, acusou o Dalai Lama no sábado de usar a causa dosdireitos humanos para atingir seus objetivos. O Dalai Lama já condenou o uso da violência, pedindonegociações com a China e afirmou apoiar os Jogos Olímpicos. AChina diz que suas afirmações não são sinceras. A tocha olímpica estava em Bangcoc neste sábado, onde asegurança foi reforçada para prevenir protestos como osocorridos na Europa e nas Américas. (Reportagem adicional Lindsay Beck e Clotaire Achi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.