Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Chocolate começa bem, mas perde para cubano e é bronze no boxe

Joedison Teixeira é derrotado por Yasnier Toledo, na semifinal

Estadão Conteúdo

22 de julho de 2015 | 21h41

Não será só no número total de medalhas que o boxe brasileiro vai ficar longe de repetir o resultado de Guadalajara. Também já não pode mais igualar, em Toronto, as duas finais da edição passada dos Jogos Pan-Americanos. Uma das únicas duas esperanças foi embora nesta quarta-feira, com a derrota de Joedison Teixeira, o Chocolate, para Yasnier Toledo, de Cuba, na semifinal. O brasileiro ficou com o bronze, enquanto o rival foi à final.

O cubano é o grande favorito da categoria meio-médio ligeiro. Prata nas duas últimas edições do Mundial, bronze na Olimpíada de Londres (2012) e campeão do Pan de Guadalajara. No ringue nesta quarta-feira, foi alvo de alguns contragolpes certeiros de Chocolate no primeiro round, mas sobrou nos dois assaltos seguintes. Venceu por decisão unânime dos árbitros.

Aos 21 anos, o paulista Joedison estreia como titular da seleção brasileira de boxe, posto que herdou de Everton Lopes, que recentemente migrou para o boxe profissional. O Pan é a primeira competição oficial disputada por Chocolate, que só precisou fazer duas lutas para ficar com o bronze, uma vez que estreou na semifinal.

O boxe brasileiro já tem, em Toronto, o seu pior resultado em Jogos Pan-Americanos desde 1995. Naquela edição, em Mar del Plata, o depois campeão mundial Popó garantiu a única medalha (de prata) do País. No Canadá, o Brasil vai ganhar só duas medalhas, uma queda expressiva na comparação com as sete obtidas em Guadalajara, igualando o resultado de Santo Domingo (2003), quando ainda não existia o boxe feminino - menos medalhas eram distribuídas, portanto.

A única possibilidade de o Brasil fazer final é com o superpesado Rafael Lima, que também estreou nas quartas de final e faz semifinal na quinta-feira, contra Edgar Muñoz Mota, da Venezuela. Curiosamente, ele e Chocolate são os dois únicos atletas que viraram titulares da seleção neste ano.

O boxe brasileiro está muito desfalcado em Toronto. Robenilson de Jesus, Robson Conceição e Patrick Lourenço estão participando de uma liga semi-amadora da Federação Internacional de Boxe Amador (Fiba) e, por terem compromissos em datas próximas do Pré-Pan, foram proibidos de lutar a seletiva.

Como a seleção tem poucos atletas, a Confederação Brasileira de Boxe (CBBoxe) não tinha substitutos para levar ao Pré-Pan e ficou sem vaga em Toronto nas categorias mosca ligeiro e leve. A exceção foi Carlos Rocha, que foi à seletiva em substituição a Robenilson e se classificou para o Pan.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos Pan-Americanosboxe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.