Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Chute na canela

O Campeonato Paulista não anda lá grande coisa - infelizmente, o fenômeno do esvaziamento atinge os Estaduais e os empurra para a extinção. Mesmo assim, tem garantida atenção das maiores torcidas, com a classificação de Corinthians, Santos, São Paulo e Palmeiras para as quartas de final. Se não houver zebra à solta, essa turma fará semifinais e a decisão.

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2015 | 02h03

Tudo normal, portanto. Engano. Na hora em que os cartolas se reúnem para discutir datas, horários e locais da próxima fase, entra em ação um duende travesso, que os atiça e os leva aceitar sugestão no mínimo polêmica. Como se fosse sinal de vitalidade da competição, a FPF anuncia que a Crefisa bancará as despesas da arbitragem na reta de chegada, ou seja, a partir deste fim de semana.

Nada incomum, pois os anúncios há algum tempo chegaram também aos uniformes de suas senhorias os juízes de futebol; tendência universal. Espantoso é o fato de a empresa que dará o suporte financeiro para personagens importantíssimos num jogo de bola é a principal patrocinadora do Palmeiras, um dos que permanecem na corrida pelo título. Concorrente forte, que investiu alto em contratações e suou para fechar acordo de propaganda no uniforme. Eventuais conquistas valorizarão a aposta feita na gloriosa agremiação.

O choque de interesses existe - nem discuto a legalidade, apesar de o acerto contrariar recomendação para que se evite tal tipo de iniciativa. A colaboração, digamos assim, é inoportuna, inadequada, estratégica de marketing equivocada, tiro no pé, chute na canela. Não se trata de prevenção, preconceito ou suposição de que ocorrerão maracutaias para beneficiar o Palestra. Mas só a possibilidade de que se levante alguma suspeita deveria ser suficiente para não se levar adiante o projeto. Lembra a história da mulher de César? Não pode ser honesta, precisa também parecer honesta. Pois é, lugar-comum, mas ainda e sempre atual.

Erros de arbitragem acontecem a torto e direito. Podem dar o ar da desgraça nos jogos do Palmeiras. Se influírem no resultado, o que se dirá? Que houve apito amigo, como na finalíssima da Copa do Brasil de 2012, em que o patrocinador alviverde era o mesmo do torneio. (E o Coritiba foi prejudicado estupidamente no jogo em São Paulo.) E se, ao contrário, os juízes agora se mostrarem rigorosos além da conta com os palmeirenses e por isso errarem contra eles, sem querer? Azar, Palmeiras?

O futebol é meio pouco transparente, pródigo em histórias nebulosas, em conchavos de fazer o capeta corar. E o pessoal não aprende, tudo em nome do dinheiro, de sinais aparentes de sucesso e pujança econômica. Espanta, ainda, reação de envolvidos. Dirigentes de outras equipes não se abalaram e deram declarações água com açúcar.

Pode ser que o tenham feito por delicadeza, por temor de ofender a FPF, até por convicção. Fé ou certeza inabaláveis que ruirão à menor escorregadela dos apitadores contra os respectivos times. Ou você acha que não?

Em tempo: o acordo prevê cobertura de gastos só com os árbitros. Os gandulas continuarão por conta da FPF. Ora, bolas! Ufa, ainda bem!

Duelos. Como o trio de ferro da capital tem o mando, foi necessário dar ajambrada no calendário. Por isso, São Paulo e Corinthians jogam amanhã, em horários diferentes, para evitar encontros entre torcedores. Do jeito que tem espírito de porco espalhado pelas gangues, quem garante que não se enfrentarão em estações de metrô ou terminais de ônibus, entre um jogo e outro? O racional seria jogo na segunda à noite, mas ninguém topou. Bobagem e resistência tola, pois na Europa com frequência há jogos noturnos de início de semana. Seria programa novo.

O Palmeiras foi deslocado para o domingo pela manhã, por causa de manifestações previstas para a tarde. Isso implica mudança de programação, parece coisa pouca, mas o "fuso" tem reflexos no organismo. O Santos faz o horário vespertino e salva a grade das emissoras de tevê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.