Chuva de ouro. Brasil em 3º

A temperatura no Rio baixou bem, a chuva caiu forte durante todo o sábado, mas o penúltimo dia de competições dos Jogos Pan-Americanos foi o mais produtivo para o Brasil. A delegação nacional conquistou 11 ouros, proeza que jamais havia alcançado na história da competição. No total, são 51 medalhas douradas, conseqüência de favoritismo em muitas modalidades - e surpresas em outras. Foi uma chuva de prêmios.Esse número expressivo, no entanto, se mostrou insuficiente para fazer com que o País chegue ao segundo lugar na classificação geral, pois Cuba, com 59 de ouro, não pode mais ser alcançada. Em compensação, o terceiro lugar também não está ameaçado, porque o Canadá soma 38 medalhas de ouro e restam apenas quatro disputas para o encerramento. CUBA VAI EMBORAO festival de medalhas começou pela manhã, com a exibição de Falcão e sua turma no futsal, que bateu a Argentina por 4 a 1 na quadra do Riocentro. E terminou à noite, no Maracanãzinho, com desempenho de gala da equipe de vôlei masculino. Os atletas comandados pelo técnico Bernardinho fizeram 3 a 0 nos Estados Unidos, parciais de 25/16, 25/20 e 25/22. A delegação cubana não participará da festa final. Os dirigentes receberam ordem de embarcar os atletas para casa ontem à noite mesmo. A medida foi tomada porque surgiu boato de que poderia haver novas deserções na delegação, como havia acontecido com jogador de handebol, além de dois pugilistas e um técnico de ginástica. FESTIVAL DE MEDALHASSe a chuva prejudicou a disputa de várias modalidades, o mesmo não ocorreu com a vela, que conquistou mais três ouros, nas provas da Marina da Glória, nas classes RS:X, Snipe e J24.O atletismo levantou o público no Engenhão para o último dia de disputas. Fábio Gomes da Silva surpreendeu, ao vencer no salto com vara. Outra que teve apresentação excepcional foi a fundista Sabine Heiting, que com facilidade os 3 mil metros com obstáculos.Já Jadel Gregório não teve dificuldades para superar seus adversários no salto triplo e nem precisou ficar perto de sua melhor marca (17,90) para levar o ouro. Saltou 17,27 metros e confirmou favoritismo.Mas o mais emocionante estava reservado para o revezamento 4x100. Vicente Lenílson,Rafael Ribeiro, Sandro Viana e Basílio Moraes venceram com o tempo de 38s81, em chegada sensacional. Foi o tricampeonato do time brasileiro na prova. O dia colaborou e muito para o melhor desempenho do atletismo brasileiro em Pans.A ginástica rítmica também não ficou atrás e repetiu seu grande desempenho de 2003, em Santo Domingo. Com os dois ouros de ontem e a medalha de bronze, foram três primeiros lugares no pódio e uma terceira colocação. Dia inesquecível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.