Cicinho e Tcheco: contratações que ainda buscam afirmação

Cicinho e Tcheco: contratações que ainda buscam afirmação

São-paulino e corintiano chegaram com status de estrelas, mas não conseguem jogar bem [br]e recebem críticas

Bruno Deiro e Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2010 | 00h00

É possível que pelo menos um dos dois times que disputam o clássico hoje fique de fora das semifinais do Paulista. A explicação para a ameaça que ronda Corinthians e São Paulo passa por algumas peças que foram trazidas com status de grandes reforços, mas ainda não confirmaram seus potenciais. Reservas, o meia alvinegro Tcheco e o lateral tricolor Cicinho vivem situação desconfortável.

A atmosfera para Cicinho demonstrar novamente no São Paulo o futebol que o consagrou no clube há alguns anos era ótima em sua chegada, há um mês e meio. O lateral chegou para tomar conta do setor direito, vago desde que Ilsinho se transferiu para a Europa em 2007. Mas a falta de uma sequência de jogos na Roma se repete no Brasil.

"O Cicinho ainda não tem condições físicas para atuar vários jogos seguidos", explicou Ricardo Gomes, que deixou no ar a possibilidade de escalá-lo hoje. Cicinho tenta confirmar a expectativa que fez a diretoria do São Paulo investir tempo ? o acordo levou mais de dois meses para ser fechado? e muito dinheiro (o lateral tem o segundo maior salário do time, R$ 250 mil).

"A gente espera que o desempenho do Cicinho em campo seja proporcional ao trabalho que nos deu contratá-lo", disse o vice-presidente de futebol Carlos Augusto de Barros e Silva. O tempo para isso é curto, já que seu contrato termina em julho.

Já Tcheco é uma aposta pessoal de Mano Menezes. O meia era o capitão do Grêmio que foi finalista da Libertadores em 2007, em uma equipe comandada pelo atual técnico corintiano. No entanto, vaiado nos primeiros jogos, o jogador já se esquivou da responsabilidade de vestir a camisa 10 do time.

Do começo da temporada para cá, só teve paz depois que fez boa partida contra o Racing, do Uruguai, no Pacaembu, no fim de fevereiro ? deu um lindo passe de calcanhar para gol de Elias. Hoje ele começa na reserva, e torce por uma chance para repetir o bom desempenho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.