Ciclismo: equilíbrio na Volta de SP

A Volta Internacional de São Paulo chega à última etapa neste domingo, entre Campinas e a Cidade Universitária, em São Paulo, equilibrada e indefinida. Patrique Azevedo, da Extra/Caloi/Suzano ganhou a disputa de hoje, entre Ribeirão Preto e Campinas, em 4h56min27 e modificou a classificação geral. O cearense Antonio Nascimento, da Memorial/Santos, assumiu a liderança com 21h58min33, 25seg a frente do americano Tim Larkin, da Toshiba/Aerospace. Breno Sidoti, da Scott/Fadenp (21h59seg), e Márcio May, da Memorial/Santos (21h59seg36), segundo e terceiro colocados, também brigam pelo título. Os 228,3 Km de hoje tinham tudo para ser equilibrados, mas faltando 50 Km, dez ciclistas, com Patrique entre eles, se destacou e chegou a abrir 5min09 de vantagem. Ao contrário do que se esperava, o bloco manteve a ponta até a chegada. No sprint final, Patrique teve mais força e chegou na frente, praticamente junto com Armando Camargo, da SAP/São Lucas, 2.º colocado. "É difícil sustentar uma vantagem tão grande por tanto tempo, mas eu estava preparado", disse Patrique, que sonha com o título. "Ainda tem muito pela frente." A maior comemoração foi da equipe Memorial/Santos, que recuperou a liderança geral, perdida para Breno Sidoti. "Dedico a vitória ao Márcio May, se não fosse o acidente que sofreu sexta-feira, já poderia ser campeão", disse Nascimento. "A tática da nossa equipe foi infalível." A última etapa terá transmissão ao vivo da TV Globo, a partir das 9h30. Balanço - Disputada pela primeira vez, a Volta de São Paulo superou a expectativa dos organizadores, que planejam melhorar o nível técnico em 2005. "Queremos aumentar de três para seis o número de equipes estrangeiras e promover ações sociais nos municípios que sediarem cada etapa", disse Thadeus Kassabian, diretor da Yescom, organizadora da prova. Uma das metas é aumentar a categoria da competição, de 2,5 para 2,3 pontos, de acordo com critérios da União Ciclística Internacional. Quanto menor a numeração, mais qualificada é a prova. Outro objetivo é aumentar as vagas do Brasil nas Olimpíadas de Atenas. Por isso, a competição distribui 180 pontos - 25 ao campeão - no ranking da União Ciclística Internacional. O País ocupa o 36.º, com 361 pontos, e tem apenas uma vaga garantida. Para assegurar mais duas vagas, os brasileiros precisam ficar entre os 30 melhores, até 30 de abril. Para isso, têm mais duas chances de somar pontos: a Volta do Paraná, em março, e a Volta do Rio, em abril.

Agencia Estado,

17 de janeiro de 2004 | 17h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.