Ciclista alemão que confessou doping pode ser preso

Flagrado em um exame no Tour de France, Sinkewitz poderá ser preso apesar de ter cooperado com a Justiça

Efe

23 de fevereiro de 2008 | 13h37

O ciclista alemão Patrick Sinkewitz, ex-corredor da equipe T-Mobile, flagrado no exame antidoping no Tour de France, poderá ser preso apesar de ter cooperado com a Justiça. Sinkewitz fez uma extensa confissão à Procuradoria acusando os médicos esportivos da Universidade de Freiburg que preparavam os ciclistas de sua equipe, segundo a revista semanal alemã "Der Spiegel".   No entanto, não citou nomes de outros companheiros suspeitos. Por isso, a Promotoria poderá puni-lo com uma detenção coercitiva, prevista pela lei alemã para forçar uma confissão.   Devido aos escândalos de doping, o ciclista teve seu contrato rescindido com a equipe, que perdeu o patrocínio da companhia telefônica que emprestava o nome aos competidores.   Após ter sido suspenso durante a competição, o ciclista, de 27 anos, confessou ter se dopdo, mas disse que foi inconscientemente.   Afirmou ainda que o doping era prática comum na T-Mobile e acusou dois assessores médicos da equipe da clínica de Freiburg.

Tudo o que sabemos sobre:
DopingCiclismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.