Kathy Watts/AP
Kathy Watts/AP

Ciclista de 90 anos pego no doping questiona: 'O que posso ganhar?'

Carl Grove alega que substância detectada em seu organismo veio de carne contaminada

Redação, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2019 | 12h48

O ciclista Carl Grove ainda não se conformou por ter perdido todos os seus recordes no ciclismo após testar positivo em exame de doping feito pela Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada). Detalhe, o atleta tem 90 anos de idade.

"Acredito que estão perdendo tempo na Usada. O que posso ganhar ao consumir drogas aos 90 anos? Me explique, porque eu não sei", questionou o veterano atleta em entrevista a agência Associated Press.

A Usada detectou a presença de trembolona, um esteroide anabolizante, em uma amostra de urina do mês de julho de Grove. A substância é utilizada na pecuária para engorda de gado antes do abate. Apesar de reconhecer que o resultado deve ter ocorrido por conta de contaminação por consumo de carne, defesa apresentada por Carl Grove, a agência disse emitiu uma advertência pública sobre o caso, fato que causou uma repercussão mundial.

"Estive deprimido durante um tempo, mas já superei. Queria ser uma inspiração se fosse possível. Trabalhei como um verdadeiro cavalo para isso. Me tiraram os recordes e isso não teve importância. O que me importa de verdade para mim é ser uma pessoa limpa diante das pessoas que me conhecem. Me preocupei com o que os outros poderiam achar, mas depois pensei: Bom, alguns acreditam em mim e outros não".

Mesmo não tendo sido suspenso, o norte-americano perdeu seu título da categoria de 90 a 94 anos de idade, na qual era o único participante, bem como seu recorde mundial de participação nos campeonatos do Estados Unidos realizados em Breinigsville, no estado da Pensilvânia.

Apesar de abalado emocionalmente, Carl Grove garantiu que vai continuar competindo. Seu próximo objetivo é conquistar o recorde de maior distancia percorrida em uma hora em categoria para competidores entre 90 e 95 anos. A atual marca pertence ao francês Rene Gaillard, que conseguiu alcançar a distância de 29 km em 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.