Michele Mondini/ Red Bull Content Pool 
Michele Mondini/ Red Bull Content Pool 

Ciclista Henrique Avancini se adapta à nova realidade no interior do Rio 

Após voltar às pressas da África, atleta se prepara para a nova data dos Jogos de Tóquio em Petrópolis  

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 07h00

O ciclista Henrique Avancini já tem sua vaga no mountain bike garantida para os Jogos de Tóquio, mas precisou mudar todo seu treinamento por causa da pandemia de coronavírus e pelo cancelamento de competições internacionais que o ajudariam a manter a forma e, inclusive, fazem parte de sua preparação para a Olimpíada, que agora será realizada a partir de 23 de julho de 2021.

“No geral o impacto na comunidade esportiva foi bastante grande, já que sempre trabalhamos voltados a datas fixas. Mas eu me sinto bem tranquilo em relação a isso, acho que como atleta brasileiro você acaba se desenvolvendo de uma forma mais adaptável. Então acredito que eu consiga lidar bem com essa situação”, disse o ciclista da equipe da Cannondale Factory Racing.

O atleta estava na África do Sul para disputar no início de março o Cape Epic, mas o evento foi cancelado e ele teve de retornar às pressas para o Brasil, para não ficar preso no exterior devido às proibições de deslocamento por causa da pandemia. Agora ele está em Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, e aproveitou para descansar o corpo e a mente após uma preparação árdua.

“Sei que boa parte dos meus grandes objetivos pode sofrer alteração nas datas ou até mesmo cancelamento, mas eu sigo bastante tranquilo, motivado, e por enquanto, consciente do que eu devo fazer. E sigo animado para o que a temporada tem para trazer como desafio”, comentou o atleta, que vem tomado todos os cuidados necessários.

Ele garante já ter uma rotina de precaução e lembra que costuma treinar bastante sozinho. Nas atividades em área externa, como vive numa região montanhosa e um pouco mais isolada dos grandes centros urbanos, também pode praticar o mountain bike. “Já passei por coisas que acabaram demandando uma atitude semelhante e acabo enfrentando esse momento com uma certa tranquilidade.”

Para se adaptar à nova realidade, sem competições para disputar, com o ranking mundial congelado e tendo restrições para treinar, Avancini teve de mexer em sua programação. “O que eu preciso fazer agora é um pequeno reajuste para os treinamentos e de certa forma é até bom para mim, já que eu fico com uma preparação mais controlada. Quando você usa uma competição para preparação, você adiciona alguns riscos, mas quando você faz sua preparação em um ambiente mais controlado, isso acaba sendo um pouco mais eficiente”, avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.