Ciclista italiano é mais um caso de doping na Volta da França

Riccardo Ricco é o terceiro na competição; além dele, exames de Beltrán e Dueñas também deram positivo

EFE

17 de julho de 2008 | 11h55

O ciclista Riccardo Ricco foi pego no exame antidoping da Volta da França. O exame do italiano deu positivo pela substância eritropoetina (EPO) na quarta etapa da competição, confirmaram as agência de luta antidoping. O ciclista da equipe Saunier é o terceiro caso de doping nesta edição da prova. Ele se junta aos espanhóis Manuel Beltrán e Moisés Dueñas, pegos pela substância na primeira e na quarta etapas, respectivamente. Nesta quinta-feira, Dueñas foi liberado pela Polícia após confessar que se dopava, mas pode pegar 2 anos de prisão e uma multa pesada por posse de substâncias venenosas e importação de mercadorias proibidas. Riccò, que venceu duas etapas neste Tour de France, deu positivo por uma substância conhecida como CERA, ou EPO de terceira geração. A agência francesa de luta contra o doping, responsável pelos exames na atual edição do Tour, já acompanhava Riccó desde que os exames feitos nos dias prévios a Volta da França revelaram níveis sanguíneos fora do normal. Riccò, de 24 anos, tinha sido submetido pelo menos a quatro exames antidoping durante a prova. Ao saber da notícia, toda a equipe Saunier Duval abandonou a Volta da França. Os ciclistas do grupo já não participarão da largada da 12.ª etapa, segundo fontes da organização.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.