Cidades usam inaugurações e festas para esconder atrasos

Preocupação maior das sedes do Mundial é a construção dos estádios. Pouco se fez pela mobilidade urbana

, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2011 | 00h00

Das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, 10 se mobilizaram para festejar os mil dias para a abertura do Mundial. Apenas Manaus e Rio não fizeram nenhum evento.

Em Porto Alegre, houve uma cavalgada e show de tradicionalistas, descerramento de placa alusiva à data e entrega de projetos. O prefeito José Fortunati acredita que todas as obras estarão iniciadas no primeiro semestre do ano que vem e concluídas até dezembro de 2013. A reforma do Beira-Rio está suspensa até que o Internacional e a Andrade Gutierrez assinem um contrato de parceria.

Em Salvador, o evento teve alvorada de fogos de artifício, apresentações do Olodum e de grupos de capoeira e inauguração de um relógio em formato de berimbau no Dique do Tororó, ao lado das obras da Arena Fonte Nova.

O estádio ganhou data de inauguração: 29 de março de 2013, aniversário da cidade. As obras estão 25% concluídas.

Fortaleza tem quase 40% das obras do Castelão prontas. O titular da Secretaria Especial da Copa, Ferruccio Feitosa, assegurou que até junho de 2013 todos os projetos estarão concluídos. Até o final deste ano, começam a ser executados outros dois projetos: o Veiculo Leve sobre Trilhos e as duas estações da Linha Sul do Metrô.

No Recife, foi inaugurado um contador regressivo. Também foi apresentado um site do governo de Pernambuco que vai permitir o monitoramento das ações e construções previstas. O secretário estadual da Copa, Ricardo Leitão, prometeu um evento a cada cem dias, a partir de agora, com o objetivo de envolver a população. A Arena Pernambuco está com 15% das obras concluídas.

A Prefeitura de Natal inaugurou um painel com um cronômetro regressivo. "A partir de agora a população vai sentir a proximidade com as obras", disse a prefeita de Natal Micarla de Sousa.

Natal é uma das sedes com obras mais atrasadas. O estádio Arena das Dunas, que custará R$ 400 milhões, ainda não começou a ser construído. A obra será erguida no local onde estão o Machadão e o ginásio Machadinho. A demolição desses empreendimentos será este mês. Demora também para as obras de mobilidade urbana. Apenas essa semana a prefeitura conseguiu a confirmação da Caixa para liberação de R$ 300 milhões para as obras viárias.

Em Curitiba, a estufa do Jardim Botânico foi iluminada em verde e amarelo. A prefeitura pretende fazer uma homenagem aos outros sete países campeões do mundo, que terão suas cores expostas até sexta-feira. A iluminação é feita por 160 refletores.

Cuiabá é um canteiro de obras. Além da Arena do Pantanal e o transporte Veículo Leve sobre Trilhos serão realizadas 178 construções. A Arena está 30% concluída. A obra de duplicação de uma ponte que liga Cuiabá a Várzea Grande está 23% concluída.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.