Martin Bureau/AFP
Martin Bureau/AFP

Cielo sente lesão no ombro e abandona Mundial de Natação

Decepcionado, nadador já deixou Rússia e retornou ao Brasil

Estadão Conteúdo

05 Agosto 2015 | 09h49

Decepcionado depois de ficar apenas no sexto lugar na final dos 50m metros borboleta, prova no qual era bicampeão mundial, Cesar Cielo disse já iria pensar na Olimpíada porque "aqui (em Kazan) não tem o que fazer". Dois dias depois, nesta quarta-feira, ele abandonou o Mundial da Rússia e já está em um avião voltando para o Brasil.

Em nota oficial, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) fez questão de dizer que "a questão não é técnica". De acordo com a entidade, a decisão do corte de Cielo no Mundial foi da comissão técnica, "por razões médicas". Segundo o médico da equipe, Gustavo Magliocca, Cesar se queixou de dor no ombro esquerdo, que nos exames físicos iniciais apontavam para uma lesão no tendão supra espinhoso.

"Essa lesão foi evoluindo à medida que ele nadava. Ontem (terça) tivemos 24 horas de repouso e pudemos observar melhor a evolução da lesão. Optamos em fazer um ultra-som do ombro que mostrou que o processo inflamatório era maior e um pouquinho mais avançado do que a gente imaginava, acrescentando outros diagnósticos à hipótese inicial médica. Considerando o estado físico dele, o pouco tempo que tínhamos aqui e, principalmente, o foco nos Jogos Olímpicos de 2016, optamos pelo corte neste momento para preservá-lo e iniciar o mais rápido possível a reabilitação desse ombro", disse ele na nota divulgada pela CBDA.

Até o corte por lesão, Cielo vinha expondo, no Mundial, a sua crise técnica. Recordista mundial dos 100m livre, não participou do revezamento 4x100m livre, que terminou em quarto lugar. Depois, disse que não poderia ter feito melhor do que os colegas.

Pouco antes da final do 4x100m livre, ele optou por nadar a semifinal dos 50m borboleta, prova que não é olímpica. Classificou-se à final, mas disse que não disputaria o ouro contra Florent Manaudou e Nicholas Santos, que acabaram mesmo em primeiro e segundo lugar.

Veterano da equipe, Nicholas saiu da piscina comentando sua vontade de nadar o 4x100m medley e dizendo que o grupo aguardava que Cielo colaborasse com o revezamento. "Ele é um cara que todo mundo sabe que precisa dele no revezamento pois ele vai para cima". No Mundial, entretanto, a vaga será de Matheus Santana ou Marcelo Chierighini.

Cielo estava balizado para nadar os 50m livre, prova na qual é tricampeão mundial em piscina longa e foi bronze no Mundial de Piscina Curta do ano passado e nos Jogos Olímpicos de Londres. O nadador ainda não se pronunciou sobre o corte.

Mais conteúdo sobre:
nataçãoMundial de Natação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.