Cielo consegue índice para Mundial na volta à ativa

Brasileiro obtém, nos 50 m, marca para disputar competição em piscina curta na Turquia; Joanna Maranhão quebra recorde

VALÉRIA ZUKERAN, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2012 | 03h04

Depois do bronze nos 50 metros livre na Olimpíada de Londres, Cesar Cielo parou para pensar e concluiu que se deixar levar pela depressão só o prejudicaria. Assim, decidiu participar do Troféu José Finkel, nas piscinas do Sesi, em São Paulo, com a disposição de fazer o melhor resultado possível. Foi recompensado com o índice para o Mundial de Piscina Curta de Istambul, em dezembro.

Ele completou os 50 metros livre em piscina de 25 metros em 21s29 (exatamente o índice) nas eliminatórias e depois baixou em um décimo seu tempo na semifinal, terminando como melhor do dia na distância. A segunda posição foi de Nicholas dos Santos, também nadando pelo Flamengo, 21s40, seguido de Bruno Fratus, do Pinheiros, 21s73.

"Se eu ficar pensando no passado vou ser o único prejudicado da história. Então bola para frente'', resolveu Cielo. "Não quero deixar a minha motivação cair ou a minha capacidade técnica ficar abaixo da de alguém. É importante mostrar para os outros que estou vivo.'' Ele acredita poder baixar ainda mais seu tempo, na casa dos 20s9, hoje, na final.

Joanna Maranhão também se destacou ontem, ao estabelecer novo recorde brasileiro e sul-americano na final dos 200 metros costas, 2min08s34. A marca continental anterior era da colombiana Carolina Henao, 2min09s12, e a nacional, dela própria, 2min09s47. Ainda assim Joanna, que nadou pelo Flamengo, ficou atrás da holandesa Frederike Heemaskerk (2min04s72), do Minas, que venceu a prova.

Outro recorde foi batido pela equipe do Flamengo (Cielo, Nicholas, Bernardo Novaes e Thiago Sickert)no revezamento 4 x 50 metros livre. A nova marca brasileira e sul-americana, é de 1min25s28, superando 1min25s86 estabelecido pelo time do Pinheiros em setembro de 2010 no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.