Alberto Pizzoli/AFP
Alberto Pizzoli/AFP

Cielo diz estar mais preparado do que esteve em 2008

Quatro anos depois de Pequim, nadador é favorito ao ouro nos 50 metros livre

Alessandro Lucchetti, Agência Estado

19 de junho de 2012 | 14h41

SÃO PAULO - Cesar Cielo voltou da Olimpíada de Pequim com uma medalha de ouro e outra de bronze no peito. Agora, quatro anos depois, ele espera repetir o desempenho em Londres. Para isso, chega aos Jogos Olímpicos ainda mais preparado, segundo sua própria avaliação.

"Me sinto muito mais maduro, experiente e preparado. Como pessoa, me sinto mais preparado para qualquer desafio que apareça", afirmou o nadador em evento realizado em São Paulo, nesta terça-feira.

Ainda assim, porém, Cesar Cielo mantém a cautela quanto a previsões para os Jogos de Londres. Líder do ranking mundial dos 50 metros livre, ele chega à Olimpíada como favorito nesta prova, mas com chances menores de repetir o terceiro lugar dos 100m livre nos Jogos de Pequim.

"Nos 50 metros, qualquer um dos finalistas pode amanhecer iluminado e fazer um resultado louco. Nos 100 metros, estou ranqueado em oitavo lugar. Para resumir, os australianos estão melhores nos 100 metros e os brasileiros nos 50 metros", analisou Cielo.

Nos 100 metros, o grande nome da prova hoje é o australiano James Magnussen, atual campeão mundial. "Natação não é um esporte de contato e eu não tenho como influir na performance dos outros. Cada um vai nadar na sua raia e eu vou fazer o meu melhor e espero que seja suficiente"

Já na prova mais curta, Cielo tem como concorrente outro brasileiro, Bruno Fratus, que tem o segundo melhor tempo do ano. Para o campeão mundial e olímpico dos 50m livre, isso mostra a evolução da natação brasileira.

"Estamos no melhor momento no que diz respeito ao profissionalismo. Espero que seja o start para uma grande campanha em 2016", deseja Cielo, que não deve fazer, em Londres, a sua última Olimpíada. "Em 2016, vai ser praticamente a mesma equipe. Vou estar com 29 anos, que é tranquilamente uma boa idade para nadar os 50 metros livre."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.