Sean Rowland/WSL
Sean Rowland/WSL

Circuito Mundial de Surfe vai ter etapa em piscina de ondas pela 1ª vez

Liga Mundial aposta alto em etapa a quilômetros do litoral dos EUA; brasileiros estão entre os principais favoritos

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2018 | 05h00

A WSL (Liga Mundial de Surfe, na sigla em inglês) fará a maior aposta de sua história a partir de quinta-feira, quando os melhores surfistas do mundo disputarão pela primeira vez uma etapa do Circuito Mundial em uma piscina de ondas, a quilômetros do litoral. O evento entrou no calendário no lugar de Trestles, tradicional praia da Califórnia, e tem tudo para permanecer.

O grande trunfo da entidade é poder realizar uma competição com data e horário marcado, ou seja, sem depender da natureza para ser realizado. Isso facilitará a transmissão televisiva e permitiu a venda de ingressos. Anteriormente, foram realizados dois eventos no local, como testes, e tiveram sucesso.

A etapa ocorre em um momento promissor do surfe brasileiro. O líder do campeonato, Filipe Toledo, costuma se dar bem nas ondas do Surf Ranch, assim como seu principal adversário, o também brasileiro Gabriel Medina. Na quarta posição está Italo Ferreira, que também vive boa fase. Intruso no grupo é o australiano Julian Wilson, que quer estragar a festa verde e amarela em 2018.

Por ter ondas semelhantes para todos, o tipo de competição será diferente nesta etapa. Todos os atletas (36 no masculino e 18 no feminino) vão pegar seis ondas, metade para cada lado, e serão computadas as duas melhores de cada um, sendo necessariamente uma para a esquerda e uma para a direita. Os oito mais bem colocados no masculino e as quatro no feminino vão para a final.

Na decisão, os surfistas terão novamente a chance de pegar seis ondas, metade para cada lado, e as duas melhores serão computadas, como na primeira fase. Quem tiver as melhores notas vence a competição e ganha preciosos pontos para o ranking mundial, que depois do Surf Ranch terá apenas mais três etapas: na França, em Portugal e no Havaí.

Além da competição, a WSL deseja levar o surfe em piscina para outras partes do mundo. Ela comprou a KSWC (Kelly Slater Wave Company) e espera realizar outros eventos. Nos Jogos de Tóquio, em 2020, chegou-se a cogitar construir uma piscina de ondas no Parque Olímpico para a estreia do surfe no programa. Para 2024, em Paris, os Jogos deverão contar com uma dessas para a disputa da modalidade.

Durante anos, o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater se debruçou nesse projeto da piscina de ondas, sem muito alarde, para achar uma maneira ideal de representar o mar longe do oceano. Foram dezenas de testes, modelos de computador e tempo de pesquisa para ter uma onda que é considerada quase perfeita. Aos poucos, ele foi revelando detalhes da tecnologia e agora realizará o primeiro evento de impacto mundial.

Para se ter uma ideia, os ingressos variam de US$ 10 (R$ 40), para um dia de evento para crianças até 10 anos, até US$ 499 (R$ 2.032,00), um pacote vip com bebida liberada e comida e, entre outras coisas, inclui um show da banda Blink 182. A final será no domingo.

4 perguntas para Fillipe Toledo, líder do ranking mundial:

1. Você já teve bom desempenho no Surf Ranch. Pensa em ampliar sua liderança?

Eu gosto muito de lá, meu surfe se encaixou perfeitamente naquela onda. Quero ir para essa etapa em busca da vitória ou, pelo menos, ficar na frente dos adversários que estão na disputa do título.

2. O quanto muda a preparação para essa etapa, em água doce? A prancha é muito diferente?

Estou totalmente adaptado às ondas de lá. Minhas pranchas encaixaram muito bem na água doce e tenho algumas armas preparadas para a disputa deste evento.

3. Como você avalia esse ótimo momento do surfe brasileiro?

O surfe brasileiro profissional está passando, sem dúvida, pela melhor fase de todos os tempos. Tanto no Circuito Mundial quanto na Divisão de Acesso os brasileiros estão muito bem encaixados. Nossa geração está imbatível.

4. A possível conquista do título mundial já passa pela sua cabeça?

Para ser sincero, não penso nisso, mesmo porque está bem longe ainda. O foco é em cada etapa, um passo de cada vez. Mas o objetivo já está traçado faz tempo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.