Circuito Olímpico destaca o peso

Edmílson Dantas é um nome do esporte desconhecido do grande público, assim como o esporte que sempre praticou, o levantamento do peso. Sozinho, Edmílson, que agora inicia uma carreira de técnico no clube Pinheiros, aos 39 anos, ganhou cinco medalhas de bronze em Jogos Pan-Americanos para o Brasil. O levantamento do peso é uma modalidade que distribui nada menos que 135 medalhas, nas categorias arranque, arremesso e total, masculino e feminino. Nos Jogos Olímpicos, as medalhas são apenas para o total e, mesmo assim, a modalidade premia 45 atletas. Países que investem neste esporte incrementam bem o seu desempenho no quadro de medalhas. O que não é o caso do Brasil. Com a realização do Circuito Brasil Olímpico, torneio promovido pelo Comitê Olímpico Brasileiro, para modalidades como esta, em que há muitas medalhas em jogo, o peso ganha impulso, mas ainda está longe de ser o suficiente. Nesta quarta-feira, na arena montada no Parque das Bicicletas, ao lado do Centro Olímpico do Ibirapuera, em São Paulo, foi realizada a primeira seletiva do levantamento do peso dentro do Circuito. Nesta quinta-feira, as provas serão de esgrima e na sexta de boxe, sempre a partir das 15 horas, com entrada franca, pela Alameda Iraé. Apesar de elogiar a iniciativa do COB ? o Circuito oferece prêmios em dinheiro ? Edmílson acha que isso ainda é muito pouco para o desenvolvimento do esporte no País. ?O Brasil ainda é bem carente em material e local de treinamento?, afirma Dantas, observando que em São Paulo, o esporte está limitado aos clubes privados (Pinheiros, Palmeiras e Hebraica), o que impede o acesso do grande público. O único centro de treinamento do País está em Viçosa. O levantamento de peso não utilizou 49% dos recursos da Lei Piva em 2002 por não ter sequer uma infra-estrutura e atletas da modalidade que pudessem consumir integralmente a verba anual de R$ 450 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.