Clássico da crise termina igual

Palmeiras e Santos não conseguem afastar turbulências internas com empate por 1 a 1 no jogo do Palestra Itália

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

29 de junho de 2009 | 00h00

Sem Keirrison e Vanderlei Luxemburgo, o Palmeiras perdeu boa chance de afastar um pouco a crise que se instalou no clube nos últimos dias ao empatar por 1 a 1 com o Santos, na noite de ontem, no Palestra Itália. O técnico Vágner Mancini espera que o resultado o segure mais um tempo no cargo, mas a verdade é que ele também balança na Vila Belmiro.Veja a repercussão do clássico Acesse o canal do BrasileirãoOs bastidores dos clubes estão fervendo. O Palmeiras não perde há oito partidas, mas foi eliminado na Taça Libertadores (há 12 dias, para o Nacional) e na semana passada perdeu seu atacante e o treinador. A saída do camisa 9 para o Barcelona (a negociação se deu na sexta-feira e faltam apenas detalhes para ela ser concretizada) estourou um mal-estar que ocasionou a queda de Luxemburgo - Jorginho, da equipe B, foi chamado para comandar o Palmeiras ontem.No rival, a situação também não é nada boa. O presidente Marcelo Teixeira já manifestou apoio a Vágner Mancini, mas a quantidade de bons técnicos livres no mercado, como o próprio Luxemburgo - nome forte para voltar à Vila Belmiro - pode mudar tudo.Em campo, os jogadores santistas não pareciam muito empolgados em tentar manter o cargo de seu treinador. Na primeira etapa, abusaram nos passes errados, falharam no posicionamento e não levaram nenhum perigo ao goleiro Marcos. Superior, o Palmeiras aproveitou os erros rivais.Douglas, substituto do machucado Fábio Costa, fez o que pôde. Defendeu chute de Willians e não deixou Diego Souza ser feliz em sua conclusão. Mas quando espalmou a tentativa de Cleiton Xavier, esperou em vão que algum companheiro não deixasse Obina pegar o rebote para fazer 1 a 0, aos 32 minutos.O Santos melhorou na segunda etapa e foi para cima. Mancini acertou na substituição (Robson no lugar de Neymar) e as chances de gol começaram a aparecer. Na primeira boa oportunidade, Marcos honrou o ?são? que precede o seu nome e fez ótima defesa em chute de Robson. Depois, na insistência, o empate alvinegro chegou, com Robson, aos 37 minutos. "Perdemos muitos gols, que nos deixariam a dois pontos do líder (Atlético-MG)", lamentou o palmeirense Willians. O Alviverde é o 5º colocado; o Santos, o 10º.A semana agora será de definições para ambas as equipes. Técnicos podem chegar - e outro pode cair.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.