Clássico de reencontros na Vila Belmiro

Jogadores com história no Santos e Palmeiras se enfrentam hoje em momentos bem distintos de um passado recente

DANIEL BATISTA, SANCHES FILHO, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2013 | 02h07

O clássico Santos e Palmeiras vai ser um jogo de reencontros. Dos dois lados, existem jogadores que têm o rival como algo marcante em sua carreira, pelo lado positivo ou negativo. Neymar, Marcos Assunção, Maikon Leite, Wesley e Charles viverão sentimentos especiais na Vila Belmiro.

A história começa com Neymar. Um dos motivos que fazem o departamento médico do Santos se esforçar para colocar o craque em campo - mesmo com dores musculares - é que ele costuma jogar bem e ser decisivo contra o Palmeiras. Sem contar que, na infância, era torcedor do Palmeiras (circula na internet uma foto dele com a camisa alviverde quando ainda era criança).

Mas o atacante parece que gosta de fazer gol em seu ex-time do coração. Ele comemorou o seu 20.º aniversário com um gol de cabeça, feito que ele tanto perseguia, contra o Palmeiras, no Paulista de 2012. No Brasileiro, fez quatro gols em dois jogos. Em 2013, ele não esteve no jogo na primeira fase do estadual, pois estava na seleção.

Do outro lado, muito torcedor do Alviverde pode estranhar quando Marcos Assunção entrar em campo com a camisa alvinegra. O volante, que até o ano passado era chamado de Marcos "Perfeição" pelos palmeirenses, vai aparecer do outro lado hoje e será visto com respeito pelos rivais.

"Conhecemos bem o Assunção. Qualquer bola parada é um perigo para ele", lembra Gilson Kleina. A tendência é que ele comece no banco, mas é certo que entre durante o jogo. Nos treinos, seu aproveitamento foi bom nas cobranças de falta.

Para todo gosto. No Palmeiras, vai ter jogador se sentindo de volta para casa, outro apontado como "mercenário" e ainda um com a pecha de "bichado".

Wesley não deve ter problemas na Vila. Ele começou no Santos e fez parte do fantástico time que conquistou o Paulistão e a Copa do Brasil de 2010. Negociado com o Werder Bremen, deixou o clube como exemplo e cheio de homenagens. Hoje, pela primeira vez, ele volta à Vila como visitante. "Não sei como será minha recepção, mas agora sou Palmeiras", admite o jogador.

Quem sabe bem o que deve encontrar hoje é Maikon Leite, "o mercenário" do clássico. Ele assinou contrato com o Palmeiras em janeiro de 2011, mas só conseguiu deixar o Santos em junho daquele ano. Neste período, foi xingado e perseguido por santistas. Hoje, é o dia do reencontro e a expectativa é de que receberá muitas vaias.

O volante Charles vive grande fase no Palmeiras e muitos torcedores nem sequer se lembram que ele passou pelo Santos. Foi em 2011, mas ele chegou com uma lesão no joelho esquerdo e não conseguiu se recuperar direito, tanto que fez apenas cinco jogos pelo Alvinegro. Charles deixou o clube no fim daquele ano com fama de "bichado". O tempo passou e hoje volta à Vila como uma das possíveis surpresas do Alviverde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.