Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Clássico decidirá escalação do São Paulo para o jogo da Libertadores

Ney Franco usa duelo com o Corinthians para escolher os jogadores que enfrentam o Strongest

FERNANDO FARO, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2013 | 02h05

SÃO PAULO - Ao confirmar que usará força máxima no clássico de amanhã contra o Corinthians, Ney Franco deixa claro que considera a partida importante para o São Paulo, apesar de o time já estar classificado e ocupar a liderança do Campeonato Paulista mesmo com um jogo a menos do que os concorrentes. A partida do Morumbi pode ter desdobramentos para o duelo contra o The Strongest, dependendo da atuação de alguns jogadores.

Mesmo considerando a equipe que jogará amanhã a titular no momento, o treinador vai utilizar o clássico para observar jogadores de algumas posições que ainda não têm "dono" e definir quem começará jogando a partida de La Paz, fundamental para o futuro do São Paulo na Libertadores da América.

As maiores dúvidas de Ney estão nas laterais. Na direita, Paulo Miranda voltou contra o Paulista, na quarta-feira, após se recuperar de uma artroscopia no joelho esquerdo e foi bem. Titular em 2012, ele tem a preferência do técnico, mas Rodrigo Caio ganhou prestígio com Ney, que quer ver o garoto em ação amanhã para tomar a decisão. "Fico feliz porque ele vinha bem em campo e conversava bastante com ele nos treinos. Ele vinha treinando bem e fez por merecer a chance", falou Paulo Miranda.

Na esquerda, o dilema é parecido: promover a volta de Cortez ou manter Carleto, que fez bons jogos na ausência do titular? "O que importa é que o Ney sabe que tanto eu quanto o Cortez temos condições de jogar em alto nível. O problema é quando o treinador só tem uma opção", comentou Carleto, que foi poupado do jogo contra o Paulista.

O retorno de Rhodolfo promete acirrar a disputa entre os zagueiros. Ele está recuperado de uma lesão e, na briga com Edson Silva, tem a seu favor o fato de ter formado dupla com Rafael Toloi no ano passado. Lúcio corre por fora por ter se desgastado nas críticas a Ney Franco. No meio de campo, Denilson e Wellington, antes parceiros, agora disputam para saber quem jogará ao lado de Maicon, que aproveitou a oportunidade que teve e ganhou uma vaga na equipe.

A briga está boa. Os jogadores sabem que o time está longe de ser definido e que será preciso mostrar serviço no jogo do Morumbi para se garantir entre os titulares em La Paz.

"Desde a pré-temporada estava acirrado e agora a concorrência aumentou bastante com essas voltas de lesões", analisou o meia Jadson, um dos poucos jogadores que podem se considerar intocáveis no time. "Isso é bom para o Ney porque ele vai ter muitas opções. Veja o último jogo, em que ele colocou um time diferente e todo mundo se dedicou e correu."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.