Clássico define caminho para Botafogo e Fla

Dois times cariocas precisam da vitória para dar impulso rumo à vaga na Libertadores no segundo turno

LEONARDO MAIA / RIO , O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2012 | 03h05

Os clássicos estaduais que encerram o primeiro turno certamente vão reconfigurar a tabela do Campeonato Brasileiro e ter um peso no desenho do panorama para a segunda metade da competição. Todos os 10 primeiros colocados se enfrentam na 19.ª rodada. Botafogo e Flamengo estão nesse bolo e duelam hoje, a partir das 16 horas, no Engenhão, para iniciar uma arrancada que se estenda no returno.

Os alvinegros ocupam a sétima posição, com 27 pontos. Os rubro-negros vêm logo atrás, com 25 pontos e um jogo a menos. Quem quiser se colocar na briga por uma vaga na Libertadores e até mesmo pelo título - ainda que pareça um sonho distante com a caminhada inabalável do Atlético-MG - precisa vencer o clássico.

"Não podemos pensar em nada que não seja em jogar bem e vencer", decretou o técnico Dorival Júnior, que perdeu o volante Renato, que será submetido a cirurgia no joelho direito e para por pelo menos um mês.

Situação pior enfrenta o botafoguense Oswaldo de Oliveira. O treinador tem uma série de desfalques. O atacante Rafael Marques e o zagueiro Antônio Carlos se machucaram com gravidade na vitória sobre o Palmeiras, quarta-feira, no Engenhão, que resultou na eliminação da Copa Sul-Americana.

Eles se juntam a uma lista extensa de lesionados: Fellype Gabriel, Vitor Júnior, Lucas Zen, Marcelo Mattos, Márcio Azevedo, todos estão inativos.

Com tantas ausências, o técnico alvinegro confia em boa apresentação da sua dupla gringa no meio de campo: o holandês Seedorf e o uruguaio Lodeiro, que entra no time titular com o afastamento de Marques.

Vantagem. Além das contusões, um fator que parece pender a favor dos rubro-negros foi a semana de folga e preparação intensa, enquanto os botafoguenses se desgastaram nos 3 a 1 sobre o Alviverde paulista. "Pode ser uma vantagem fisicamente, mas saímos com muita moral do jogo, nos deu força para enfrentar o Flamengo", contrabalançou Seedorf.

"Não sei se é vantagem passar a semana toda pensando em um clássico. Os dois times chegam bem e precisamos ver como o aspecto psicológico vai influenciar".

Para a vaga de Renato, Dorival testou Bottinelli e Ibson. A julgar pelas últimas atuações, a vaga tende a ser do argentino, o que daria mais força ofensiva à equipe. No Botafogo, Brinner forma dupla de zaga com Fábio Ferreira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.