Clássico opõe juventude à experiência

Uma das atrações de São Paulo e Palmeiras, hoje, é o confronto entre o talento e a adolescência de Lucas com o já maduro e tantas vezes campeão Kleber

Bruno Deiro e Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2011 | 00h00

São Paulo e Palmeiras tentam encerrar jejum de duas temporadas sem título com estratégias distintas. No Morumbi, a aposta está na nova geração, personificada na figura de Lucas. Já o Alviverde busca reviver seus melhores dias com Kleber, Valdivia e Felipão, que foram vitoriosos pelo clube no passado. Hoje, às 16 horas, o clássico pela 10.ª rodada do Paulista marca o encontro entre estes novos e velhos ídolos.

Diante da torcida são-paulina, Lucas joga o primeiro clássico desde que retornou com moral da conquista do Sul-Americano pela seleção brasileira sub-20, no Peru, há duas semanas. O técnico Paulo César Carpegiani reconhece que é a primeira grande chance de o garoto provar seu valor num confronto importante. "Os clássicos são aqueles jogos que marcam mais, que ficam na história. Ele pode fazer um golaço em um jogo comum que a memória se apaga", disse o técnico. "O Lucas tem muita coisa a aprender, a melhorar, mas tem tudo para se tornar um grande ídolo do futebol brasileiro."

Além do meia, os reservas Casemiro e Willian são outros dois que vieram da seleção sub-20 e chamaram a atenção da torcida. Casemiro ganhou chance como titular contra o Bragantino (vitória por 4 a 0) e teve atuação segura. Já Willian entrou na etapa final e deixou o seu com um lindo chute de fora da área.

Mas é mesmo o jovem Lucas, de 18 anos, uma das maiores preocupações do Palmeiras. "Ele é veloz e dá um tapa (na bola) para longe do marcador. Não podemos deixá-lo virar e vir de frente", alertou o lateral-direito Cicinho. "Vai ser um jogo complicado. O São Paulo vem embalado depois da volta do Lucas."

Se o adversário está empolgado, o mesmo não se pode dizer do Palmeiras, que vem de uma vitória decepcionante - os 2 a 1 que fez no Comercial, em Teresina, não evitaram o segundo jogo da primeira fase da Copa do Brasil. "Mas clássico é clássico. Na hora em que o juiz apitar, todos esquecem o passado", falou Valdivia. "O Corinthians tinha acabado de perder a Libertadores e ganhou da gente", comentou.

Valdivia é um dos jogadores que retornaram ao clube pelos feitos no passado. O outro que estará em campo é Kleber, artilheiro da equipe com cinco gols. O atacante, apesar de não ser referência no ataque, é quem tem resolvido. Todos no clube, porém, aguardam ansiosos por um novo camisa 9. "A gente precisa de uma referencia na área, até porque o Kleber sai pra jogar", avisou Valdivia.

O chileno e Kleber foram campeões estaduais em 2008 - o último título do clube. Valdivia, por enquanto, não justificou sua volta ao Palmeiras. "É difícil, porque se deixa uma imagem boa e tem de repetir", disse. "Primeiro eu quero igualar o que eu fiz, que já não foi muito, e melhorar."

 

Veja também:

linkRejeitado por Felipão, Rivaldo revê ex-clube após 15 anos

link Palmeirenses buscam crédito dos torcedores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.