Clássico para o Corinthians selar a paz com a torcida

Equipe enfrenta hoje o Flamengo disposto a terminar a rodada ainda na liderança, com vitória e futebol convincente

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

Cobrados abertamente pelo presidente Andrés Sanchez e com rispidez por parte da torcida - invadiu o treino de terça-feira - e pressionado com as vitórias de São Paulo e Botafogo, ontem, os jogadores do Corinthians têm enorme teste de nervos hoje à noite, às 21h50, diante do Flamengo. Cientes de que a paz no Brasileiro passa por uma vitória, eles prometem recuperar a primeira colocação com bom futebol diante dos cariocas.

Em 21 rodadas no Nacional, apenas em três o Corinthians não foi líder ou segundo colocado. Na primeira (5.º), segunda (4.º) e quinta (3.º). Hoje, entrará em campo em terceiro e, dependendo do resultado do Vasco, que estará jogando com o Coritiba, em casa, até em quarto.

Ciente de que a sorte das últimas rodadas deu adeus na abertura desta, com 2 a 1 do São Paulo, agora o líder, sobre o Atlético-MG, e os 4 a 0 do Botafogo, o segundo, no Ceará, o técnico Tite usará toda experiência do grupo.

Depois de ensaiar trocar Leandro Castán por Wallace, ele mantém a defesa titular, ainda com Alessandro, Chicão e Ramón.

No meio, Jorge Henrique permanece por ser mais "rodado" que Edenilson, Liedson volta no ataque e apenas Danilo sai para a entrada de Alex, pela primeira vez ganhando a posição do companheiro por competência.

Com time cascudo, Tite espera ter estabilidade emocional para suportar possíveis vaias da torcida, indignada com 12 pontos somados nos últimos 33 jogados.

Os jogadores fizeram um pacto de ajuda mútua. Conversaram e combinaram de fazer o possível e "até o impossível"" para permanecer com a principal arma, a torcida, do lado.

"É óbvio e todos vão dizer que não atrapalha, mas é desconfortável jogar com vaias. Nesse momento, a experiência ajuda e essa consciência todos aqui têm", afirma Alex. "Porém, o bom da nossa torcida é que durante os jogos nos apoia. Tem de estar muito ruim para eles não ajudarem. A gente sabe que precisa contar com eles e eles vão nos ajudar", diz, implorando paciência das arquibancadas, o meia.

Ele será o responsável por municiar o ataque. Entra na vaga de Danilo, preservado por Tite após as cobranças e também pela queda de rendimento nos últimos jogos. Até então, com os dois bem, o técnico sempre havia optado pelo agora reserva, que só não iniciou entre os 11 na primeira rodada (Morais jogou) ou quando esteve suspenso.

Ganhar a vaga num momento de instabilidade aumenta a pressão sobre Alex. Ainda mais após perder gol feito diante do Coritiba. Ele garante estar preparado e manda um recado para os corintianos. "Se abrirmos cinco pontos ou ficar um atrás, agora, não vamos ganhar ou perder o campeonato", diz. "Óbvio, toda derrota não traz benefícios e se vier, pode piorar cada vez mais a situação. Temos de tentar controlar isso em casa, buscar o resultado para que tudo se acalme, que o time siga na liderança".

Aposta. O Flamengo tem um trunfo para o clássico: Ronaldinho Gaúcho. O meia voltou da seleção com o prestígio em alta e vai reforçar o time. Se o ambiente no Flamengo melhora com seu retorno, não há como negar que existe um mal-estar crescente no grupo - em razão principalmente dos últimos tropeços e de acirramento na relação entre alguns atletas e também em reações recentes de Luxemburgo.

O encerramento da rodada ainda conta com dois jogos: Vasco x Coritiba e Bahia x Grêmio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.