Clima esquenta entre os holandeses

Van Persie não gostou de substituição e sugeriu que desafeto Sneijder saísse. Técnico exige acerto e concentração no Brasil

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

JOHANNESBURGO

Às vésperas de decidir vaga na semifinal da Copa contra o Brasil, a seleção da Holanda volta a conviver com um fantasma que, no passado, já ajudou a jogar por terra boas campanhas em competições importantes como Mundial e Eurocopa: problemas de relacionamento entre jogadores. Desta vez, não são brancos contra negros, até porque estes têm pouca importância na equipe atual. A desavença é entre duas estrelas do time, o atacante Van Persie e o meia Sneijder.

Não é a primeira vez que os dois se estranham. O técnico Bert van Marwijk foi obrigado a intervir para tentar "cortar o mal pela raiz" e colocou os dois jogadores frente a frente anteontem à noite, horas depois da vitória sobre a Eslováquia, por 2 a 1, para apararem as arestas.

Foi Van Persie quem começou a encrenca desta vez, ao ser substituído aos 35 minutos da etapa final da partida contra os eslovacos. Ele não gostou de sair e questionou o treinador. "Não era a mim que devia tirar", disse. Segundo a rede de TV holandesa NOS, o atacante do Arsenal falou mais: "Era o Sneijder."

Van Persie nega. Garante não ter falado nome algum e não confirma o teor do que disse ao treinador ? a tevê assegura que as palavras foram aquelas após utilizar o recurso da leitura labial. "O que eu disse não tem importância. Fiquei chateado ao sair, porque não venho fazendo gols (marcou só uma vez até agora na Copa), isso me abala e também porque acredito que poderia aproveitar os espaços que a defesa adversária estava nos dando."

Sneijder preferiu o silêncio. Mas o maior indício de que foi o alvo de Van Persie é que o técnico exigiu que se acertassem ? ou ao menos fizessem um armistício. "Fiz isso para colocar um ponto final nesse assunto e assim podermos nos concentrar no Brasil", disse van Marwijk.

Os jogadores não se bicam há tempos. Durante a Euro-2008, por exemplo, brigaram porque ambos queriam cobrar uma falta no jogo contra a Rússia.

Caso antigo. O técnico havia dado a entender que há problemas de relacionamento entre os holandeses dois dias antes da partida contra a Eslováquia. Na ocasião, ao ser questionado sobre a união do elenco, revelou a iniciativa que teve quando assumiu, em 2008, após a Eurocopa, no seu primeiro encontro com os jogadores. "Não é preciso ter amigos verdadeiros no time, mas é preciso aceitar as qualidades dos outros e respeitá-las. Só assim é possível ser um time realmente bom", afirmou o treinador a eles. Até anteontem, entendia estar tudo sob controle.

O que parece certo é que Van Persie não vai sofrer nenhum tipo de retaliação do técnico por ter se insurgido. "Todo jogador que é substituído fica chateado. É normal", justificou Marwijk, recorrendo a um lugar-comum.

O experiente volante Van Bommel também não vê motivos para esticar o problema. "Robin (Van Persie) joga numa posição difícil, que é o centro do ataque. Com isso, tem altos e baixos em um jogo, mas confiamos nele, é importante para a equipe."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.