Clube alvinegro terá carro nas pistas européias

Se a Fórmula Superliga vingar, Corinthians estampará seu escudo em um dos bólidos

Erica Akie Hideshima, O Estadao de S.Paulo

26 de fevereiro de 2008 | 00h00

Há dois meses o automobilismo e até o futebol brasileiros se alvoroçaram ao saber que Corinthians e Flamengo disputarão a Fórmula Superliga, corrida de carros que começará em agosto na Europa e terá 11 equipes com escudos de clubes de futebol. Serão seis etapas. O Estado descobriu quem mandará no Timão das pistas: o italiano Antonio Ferrari. Dono da equipe Euro International, ele tem carros disputando as Fórmulas BMW Norte-Americana e Alemã, World Series, na Europa, e Atlantic, nos EUA. Ferrari explica por que escolheu o Corinthians: "Tem as cores do meu time, a Juventus, e também era o time para qual o Ayrton Senna torcia." Em 2000, o italiano disse que surgiu pela primeira vez a idéia de fazer uma competição de automobilismo com times de futebol. "Era a Premier 1." Interessou-se pelo assunto, foi atrás da organização, mas o campeonato não saiu do papel. Assim que soube da idéia da Fórmula Superliga se apresentou para cuidar de uma equipe.Ferrari chega amanhã ao Brasil e apresentará o carro sexta-feira, no Parque São Jorge. "Sei que o time está na Série B do Campeonato Brasileiro. Mas pode avisar que na pista teremos condições de sermos fortes", afirma. "Coloco minha equipe entre as favoritas", confia ele.Para entrar no clima com a torcida do Timão, o chefão da equipe vai assistir ao clássico contra o Palmeiras, domingo, no Morumbi. "A história do time eu procurei saber. Li bastante coisa, mas ainda não conheço os jogadores."Antes do automobilismo, a paixão de Ferrari era o futebol. "Joguei no Frosinone (hoje na Série B italiana) com a camisa 10 até os 18 anos, quando me machuquei e parei de jogar."Os nomes dos pilotos ainda não foram definidos. Ferrari dará prioridade ao canadense Daniel Morad e o italiano Eduardo Piscopo. "Mas também vamos convidar brasileiros como Bruno Senna e Xandynho Negrão para testes."O Corinthians não desembolsará nada para ser representado na Fórmula Superliga - e ainda ganhará US$ 1 milhão (cerca de R$ 1,7 milhão) dos organizadores do evento apenas para ceder o nome à equipe. O vice-presidente de marketing do clube, Luís Paulo Rosenberg, comentou: "Estamos confiando no projeto e que a equipe dará bons resultados. Também espero que venha o dinheiro prometido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.