Clube começou a resgatar seu nome em 2010

O resgate do basquete palmeirense é fruto da insistência de seus dois diretores, Ronaldo Faria, o Dinho, e Siro Casanova. A dupla estava descontente com a parceria entre Palmeiras e o Lupo, de Araraquara, desfeita em 2010. O Alviverde jogava a mais de 200 km de sua sede, no Gigantão, e os jovens das divisões de base não tinham um incentivo para treinar e buscar um lugar no time adulto. Nas palavras de Casanova, foi a hora de trocar o Palmeiras-Araraquara pelo "Palmeiras-Palmeiras". Mas os dirigentes estão receptivos a qualquer patrocinador que queira incluir sua marca na denominação da equipe. Com a verba aprovada pelo clube, foram contratados o ala-armador Guto e o pivô Coloneze, ambos ex-Flamengo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.