Clube decide vender a Chacará Nicolau Moran

O Santos quer mesmo vender a Chácara Nicolau Moran, que serviu de concentração para o time de Pelé, Coutinho, Zito, Pepe e companhia no fim da década 60 e nos anos 70 do século passado. A informação foi dada pelo presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, ontem à tarde. O patrimônio histórico do clube esteve abandonado no fim do século passado e em 2009 foi cedido por cinco anos em regime de comodato ao São Bernardo FC, que pretendia usá-lo como concentração. A intenção do Santos é retomar a chácara para vendê-la.

O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2012 | 03h03

"Não há nada que possamos fazer na área que fica numa zona de proteção de mananciais", afirmou o dirigente. "Para o Santos não faz sentido construir lá uma moderna concentração porque nossa realidade hoje é outra. E até para o São Bernardo é inviável porque seria preciso ter uma usina para tratamento do esgoto". A Ecovias, que explora o sistema Anchieta-Imigrantes, é uma das interessadas na compra.

A histórica Chácara Nicolau Moran tem um pequeno campo de futebol, com piso irregular, alojamentos, cozinha industrial, espaço para repouso e lazer e uma capela, distribuídos numa área de 60 mil metros quadros, à margem da Represa Billings, onde Pelé passava horas pescando nos dias de concentração, no km 34 da pista norte da Via Anchieta.

Antes, ali era o Rancho Manacá, comprada pelo Santos da empresa Wilson Russo S/A, no início da década de 60 por 250 mil cruzeiros, com 20 mil cruzeiros de entrada e o restante pago em prestações de 10 mil cruzeiros mensais, passando a ser local da concentração a partir de 14 de setembro de 1968. / SANCHES FILHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.