Clube minimiza suposto caso de embriaguez Contra rebaixamento, a esperança é Valdivia

Volta do meia chileno é uma das armas de Felipão para tirar o time da incômoda posição na competição

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2012 | 03h06

A esperança do torcedor do Palmeiras em sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro tem nome: Valdivia. Recuperado de dores na coxa esquerda, o meia estará em campo hoje, às 21h50, contra o Flamengo, na Arena Barueri.

O Palmeiras sofreu sem o chileno nas últimas rodadas. Em cinco jogos, venceu apenas uma vez e somou quatro derrotas. O último jogo de Valdivia foi na vitória por 3 a 0 sobre o Náutico, em 22 de julho.

O chileno volta justamente contra o time que tentou contratá-lo, nesse longo período em que ficou se tratando. O Flamengo foi uma das equipes que manifestaram interesse na contratação de Valdivia, mas o Palmeiras nunca considerou negociar seu meia. E o próprio jogador já havia dito que sua ideia, se deixasse o clube alviverde, era sair do País.

Os números estão a favor do Palmeiras para mostrar o quanto Valdivia é importante. Com ele em campo nesta temporada, o time conseguiu 63,76% de aproveitamento. Sem o chileno, a porcentagem cai para 48,71.

Quem sai? Luiz Felipe Scolari vai divulgar apenas hoje quem sairá para a entrada de Valdivia. O mais provável é que Patrik deixe o time, com o meio de campo sendo formado pelo chileno e Fernandinho. E, no ataque, Obina continua ao lado de Barcos.

Esta será a segunda vez que Obina enfrentará seu ex-time. Quando estava no Atlético-MG, marcou um gol e não comemorou. Agora espera fazer o mesmo. "Vou ficar muito feliz se marcar mais uma vez, mas não vou comemorar", avisou. "Tenho um respeito muito grande pelo clube e seus torcedores."

Se o Palmeiras está numa incômoda situação no Brasileiro, com apenas 13 pontos em 16 jogos, o Flamengo chega empolgado após duas vitórias consecutivas na competição e já pensa em chegar ao G-4. O paraguaio Cáceres e o chileno González estão em suas respectivas seleções e desfalcam o time. Entram o zagueiro Marllon e o meia Ibson. E o lateral Leonardo Moura volta de suspensão.

O que era para ser um dia de anúncio de reforço, ontem, virou um dia de explicações no clube. Além de ver o acordo com o volante Guilherme fracassar (ele preferiu se acertar com o Corinthians), a diretoria do Palmeiras ainda teve de justificar os problemas acontecidos na segunda-feira, quando um jogador teria chegado ao treino embriagado.

As informações foram divulgadas na internet. O nome do indisciplinado, no entanto, não foi divulgado. O vice-presidente de futebol, Roberto Frizzo, tentou negar o caso, mas deu indícios do problema "É um assunto do clube e já foi contornado", afirmou. "E ele não estava assim embriagado, há muita fumaça." De acordo com o diretor, o jogador deve pagar uma multa de até 40% de seu salário.

Sobre a ida de Guilherme para o o rival Corinthians, Frizzo ironizou. "Se o coração dele já tinha preferência pelo Corinthians, o meu coração também prefere que ele vá para lá", afirmou o dirigente, que não comentou sobre possíveis reforços para o segundo turno do Brasileiro. / D.A.B

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.