CMB não quer despedida de Cháves

O Conselho Mundial de Boxe não quer o mexicano Julio César Chávez, de 38 anos, voltando a lutar. De supercampeão a pugilista decadente, cheio de dívidas e problemas pessoais (se diz infeliz e pensando em suicídio), Chávez passou a preocupar empresários e dirigentes, que consideram o retorno como ameaça à sua saúde, segundo informou ontem o jornal "La Jornada". "É uma notícia terrível, um ato de irresponsabilidade", disse José Sulaimán, presidente do CMB. "É por isso que os boxeadores acabam falando com as paredes." Chávez, o melhor pugilista da história do México, estaria sonhando com a luta-despedida, mesmo depois de sua piora física no ano passado. "O CMB é contra. Não queremos ser cúmplices do que lhe possa sucedor", assinalou Sulaimán. Cristóbal Rosas, seu técnico por 12 anos, diz que o tricampeão mundial poderia comprometer sua saúde pelo resto da vida.Leia mais sobre boxe no Jornal da Tarde

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.