Lapresse/Dalberto
Lapresse/Dalberto

Coach Ari e Bruno Fratus divulgam detalhes de projeto de natação na Itália

Brasileiros vão trabalhar em Caserta, no sul da península italiana, visando aos Jogos Olímpicos de 2016

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2012 | 20h50

SÃO PAULO - Nesta terça-feira, numa entrevista coletiva em Milão, foram enfim revelados todos os detalhes da empreitada do técnico Arilson Soares na Itália. O treinador de Felipe Fratus, quarto colocado nos 50m livre nos Jogos Olímpicos de Londres, vai somar forças com o treinador italiano Andrea Di Nino, que comanda o ADN Swin Project em Caserta, no sul da Itália. Di Nino é o responsável pelo treinamento dos russos Evgeny Korotyshkin, vice-campeão olímpico nos 100m borboleta em Londres e Sergej Fesikov, integrante do revezamento 4x100m livre, bronze no Aquatic Centre, da capital inglesa.

Em entrevista ao site sportemorotori, o "Coach Ari", que passará a ser chamado "Allenatore Ari" na Itália, relatou os motivos que o levaram a se integrar ao projeto. "Com o Andrea se estabeleceu rapidamente uma sintonia sobre o projeto. Tinha vontade de ter uma experiência no exterior e a ADN está entre os três principais clubes da Europa. Espero que continue progredindo e de poder contribuir para o seu sucesso".

Fratus seguiu os passos de Ari e também dará suas braçadas em Caserta. Já Felipe França, que falhou na tentativa de conquistar uma medalha em Londres, resolveu permanecer em São Paulo, onde será orientado por algum outro treinador do Esporte Clube Pinheiros. "Quando o Arilson me disse de sua aproximação com o ADN não hesitei em segui-lo. Não vejo a hora de começar a trabalhar. Estou convencido que é a equipe ideal para me auxiliar rumo ao meu definitivo amadurecimento."

Com patrocínio da empresa italiana de material de natação Arena, o ADN será gerenciado por Claudio Coldebella, que já foi dirigente de uma das maiores equipes de basquete da Europa, o Benetton Treviso.

   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.