COB admite ficar fora da disputa por 2016

O Brasil dificilmente terá cidade na disputa pela sede dos Jogos Olímpicos de 2016, tendo por base os motivos apresentados no relatório do Comitê Olímpico Internacional para a eliminação do Rio da disputa da edição de 2012, na terça-feira. Diante dos atuais obstáculos, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, reconheceu que a hipótese de não apresentar nenhuma cidade existe. "Por causa dos problemas de Atenas, o COI decidiu incluir na avaliação das cidades o item viabilidade, que é a capacidade de realização do que se estava propondo", explicou Nuzman, enfatizando que a cidade teria condições de cumprir o que foi elaborado. "O nosso projeto recebeu nota alta, mas ficou abaixo do necessário na sua viabilização." Nuzman rejeitou a hipótese de o Rio ter sido eliminado por causa da falta de credibilidade do Brasil. Mas o relatório do COI, que examinou questões como segurança, equipamentos e tecnologia, contemplou os cariocas com notas baixas, deixando clara a atual falta de confiança da entidade na capacidade brasileira. "A questão de segurança é nacional. Eles nem sabem o que é Rocinha (favela da zona sul do Rio, onde conflitos envolvendo traficantes e policiais mataram 13 pessoas, durante o mês de abril)", frisou Nuzman. O dirigente foi enfático ao reconhecer que a cidade carioca precisará melhorar seu sistema de transporte e meio ambiente se quiser ter sucesso em uma nova candidatura. "Vou conversar com os governantes para tentar sensibilizá-los para estas questões."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.