COB convoca reunião de emergência e Ministério convida presidente interino para esclarecimento

Encontros visam discutir a decisão do Comitê Olímpico Internacional de suspender provisoriamente a entidade brasileira

Catharina Obeid, Paulo Favero, Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 19h03

A suspensão do COI (Comitê Olímpico Internacional) imposta ao COB (Comitê Olímpico do Brasil) caiu como uma bomba no esporte nacional. O recado nas entrelinhas da entidade na Suíça foi bem claro: arrumem a casa que tudo voltará ao normal. E não demorou para o COB soltar um comunicado convocando Assembleia Geral Extraordinária na próxima quarta-feira, com a presença das confederações esportivas filiadas.

Dirigentes de confederações se calam diante de denúncias contra Nuzman

+ 'Rota do dinheiro' de Nuzman entra no radar dos investigadores suíços

+ Nuzman vai dormir em colchão da Olimpíada na cadeia de Benfica

"Na oportunidade, a Assembleia irá deliberar quanto às decisões anunciadas pelo Comitê Olímpico Internacional nesta sexta-feira, dia 6 de outubro de 2017, e sobre a atual situação do COB”, informou o comunicado da entidade brasileira. 

Na reunião no Rio, os dirigentes esportivos vão definir uma estratégia de atuação após a prisão temporária de seu presidente Carlos Arthur Nuzman.

Anteriormente, alguns dirigentes já tinham sugerido ao próprio Nuzman a ideia de afastamento, mas ele nunca considerou a hipótese. Agora, esta decisão pode até sair por votação de seus pares, que ficaram incomodados com a evolução da crise institucional.

Para Alaor Azevedo, presidente da CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) e único opositor de Nuzman na última eleição, a situação é delicada. “Só temos a lamentar que o esporte olímpico brasileiro tenha sido atingido dessa forma e em um momento em que grandes resultados estão sendo alcançados, muitos deles frutos da continuidade do trabalho realizado no último ciclo. E não falo apenas pelo tênis de mesa”, afirmou o dirigente.

“Sabemos o quanto, no Brasil, é necessário batalhar para que as modalidades possam atingir a excelência e, com muito suor, muitas confederações têm conseguido. Essa suspensão deixa uma incógnita no ar, tornando ainda mais difícil alguns aspectos, como a busca por patrocínios. Em suma, é um retrocesso em um trabalho que vinha mostrando evolução”, continuou Alaor.

Na CBVela (Confederação Brasileira de Vela), o presidente Marco Aurélio de Sá Ribeiro mostra preocupação com o momento. “A gente recebeu com muito pesar essa notícia, que não traz alegria. Nossa preocupação é com a instituição. Temos muitos amigos no COB, como a Adriana Behar, o Jorge Bichara, e queremos que continue o planejamento para 2020. O trabalho precisa continuar e precisamos resguardar a instituição esportiva”, disse.

O dirigente contou que não houve nenhuma posição formal do COB às confederações esportivas nesta semana e pretende participar da reunião na quarta-feira para ver quais serão os desdobramentos desta punição e procurar uma saída para a crise na entidade.

A decisão do COI em suspender o COB também teve impacto na esfera governamental. Leonardo Picciani, ministro do Esporte, pediu para o secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento, Rogério Sampaio, convocar o presidente interino do COB, Paulo Wanderley, a fim de obter informações detalhadas sobre a decisão do COI.

“O Ministério do Esporte lamenta os recentes acontecimentos e confia no trabalho das autoridades competentes na apuração das denúncias. O ministério continuará trabalhando para garantir o apoio aos atletas brasileiros e ao esporte de alto rendimento, dentro de sua missão constitucional”, informou, em nota

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.