COB decide nesta 2ª entre Rio e São Paulo

Rio ou São Paulo? Para a cidade aspirante que vencer a disputa interna pela condição de candidata aos Jogos Olímpicos de 2012, o processo de trabalho estará apenas começando. E é longo, trabalhoso e caro. A escolha entre Rio e São Paulo será nesta segunda-feira, em assembléia do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), a partir das 10 horas, no auditório do BNDES, no Rio. O colégio eleitoral, formado por 34 eleitores ? membros natos e do Comitê Executivo do COB e os presidentes das 29 condeferações ? decidirá, após assistir as últimas apresentações do Rio e São Paulo, a cidade que segue na disputa com Havana, Istambul, Leipizig, Londres, Madri, Moscou e Nova York. Toronto também pode ser candidata.O COB terá até o dia 15 para comunicar a candidatura aos Jogos de 2012, por carta endereçada ao Comitê Olímpico Internacional, que conduzirá o processo até a escolha final da sede, em julho de 2005, em Cingapura. A cidade brasileira vencedora terá até o dia 15 de janeiro de 2004, para responder um questionário do COI e pagar a taxa de registro da candidatura, inicialmente de US$ 150 mil. Após a primeira peneira, quando o Conselho Executivo do COI aceita as cidades aspirantes, entre maio e junho de 2004, a cidade deve pagar uma nova taxa, dessa vez de US$ 500 mil, para seguir na disputa. Uma segunda peneira será em maio de 2005, após a visita às cidades da Comissão de Avaliação do COI. A partir daí seguem, realmente, as finalistas.Curiosamente, os dois prefeitos acham que suas cidades levam vantagem sobre a do outro em um processo internacional, diante de candidatas do porte de Paris, Londres e Nova York. Marta afirma que contra metrópoles como essas só uma cidade com uma infra-estrutura urbana e um status semelhante, como São Paulo, poderia vencer e que as belezas naturais do Rio não serão decisivas. O prefeito César Maia, que chamou São Paulo de cidade de concreto, acha que o Rio teria condições de vencer cidades do porte de Paris e Nova York pelas diferenças. Disse, inclusive que o Banco Mundial considera as belezas naturais do Rio como um ativo.Neste domingo, em um almoço realizado no Hotel Glória, o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, pediu o apoio da cidade derrotada à vitoriosa, após a escolha desta segunda. Segundo Lars Grael, secretário estadual da Juventude, Esporte e Lazer, que participou do evento e falou em nome de São Paulo, o ?clima foi de confraternização?. Mas os prefeitos César Maia, do Rio, e Marta Suplicy, de São Paulo, que trocaram ?alfinetadas? durante o processo de condução das candidaturas, não compareceram. À tarde, Marta foi ensaiar sua apresentação de São Paulo na sede do BNDES.No almoço, estiveram presentes membros dos dois Comitês de Postulação e os secretários municipais, Ruy Cézar, do Rio, e Nádia Campeão, de São Paulo. Os convidados ouviram do presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, uma avaliação positiva das chances de uma postulante da América do Sul. O dirigente, que voltou no sábado da assembléia do COI em Praga, disse que a escolha de Vancouver, do Canadá, para a Olimpíada de Inverno/2010 atrapalhou Nova York, invibilizou as pretensões de Toronto, mas não a de uma cidade sul-americana. Na Europa, Paris, seria atualmente a candidata mais forte. ?O Nuzman disse, inclusive que, se houver um trabalho bem feito, o Brasil pode ir à final contra Paris?, comentou Lars.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.