COB
COB

COB terá local para orientar sobre assédio e abuso no Pan de Lima

Comitê Olímpico do Brasil vai ter uma tenda para receber atletas e técnicos para falar de esporte seguro

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2019 | 04h35

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) terá um espaço na Vila Pan-Americana para falar sobre esporte seguro. A tenda funcionará durante o Pan de Lima, que será disputado entre 26 de julho e 11 de agosto, e vai receber atletas, técnicos e chefes de delegação para orientar sobre abuso e assédio no esporte.

“A importância disso é enorme. Nós aqui do COB acreditamos que a melhor prevenção é manter todos os profissionais e os atletas informados, esclarecidos e atualizados. Isso vai contribuir com o nosso compromisso, que é o bem-estar de todas as pessoas envolvidas com o esporte, sejam eles atletas, treinadores, gestores, familiares”, explicou Rogério Sampaio, diretor-geral da entidade.

A primeira ação do COB no sentido de orientar os membros da delegação foi feita dentro de um curso de capacitação com chefes de equipes. A partir deles, as informações chegam aos competidores e às comissões técnicas de cada modalidade. “Esses gestores já estão indo para Lima preparados”, comentou Soraya Carvalho, gerente do Instituto Olímpico Brasileiro (IOB).

Ela lembra que a atual gestão do COB vem fazendo um trabalho sério nesse sentido. “Sempre existe reunião de boas-vindas quando o Time Brasil chega a um grande evento, todo membro da delegação vai passar por isso, então fazemos uma pequena orientação sobre o tema e explicamos sobre os canais de denúncia que temos”, disse.

Além desse primeiro contato com informações, os atletas e técnicos poderão visitar o espaço criado justamente para oferecer orientações na Vila Pan-Americana. “Teremos uma tenda interativa onde vamos ter orientações, vídeos, distribuição de material e uma equipe dando informações para todos os membros da delegação. Será feito de maneira lúdica e atrativa”, afirmou Soraya.

Para Rogério Sampaio, o conteúdo oferecido tem sido bastante pertinente. “Diante da complexidade do tema, estamos passando todas as informações com a devida seriedade, mas de uma forma simples, objetiva e ilustrativa. O retorno que escutamos até o momento é muito positivo. Quando você passa isso de uma maneira simples e com exemplos, você promove uma absorção desse conteúdo, que fica muito mais entendido por todos os envolvidos no esporte”, comentou.

Campeão olímpico de judô, o diretor-geral do COB acredita que esse tipo de iniciativa pode ajudar no rendimento dos atletas. “Quando todos estão informados e imbuídos nessa missão de criar espaços seguros de proteção e prevenção, certamente os atletas, que são o principal ponto dentro desse tema, estarão mais livres e seguros para fazer o que mais gostam, que é treinar, competir e aproveitar a vida esportiva dele.”

No último trimestre deste ano, o COB promoverá o Curso de Prevenção ao Assédio e Abuso no Esporte aberto a todos os profissionais, sejam atletas, treinadores ou gestores. O conteúdo também será direcionado para quem vai representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. Quem também terá a possibilidade de fazer o curso serão os atletas que participarem dos Jogos Escolares.

“Desde ambientes liderados diretamente pelo COB, como em Jogos Olímpicos, Pan-americanos ou nos Jogos Escolares até os desdobramentos que esse curso de capacitação promove para toda sociedade brasileira”, disse Sampaio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.