Felipe Dana/AP
Felipe Dana/AP

COI cobra Rio por gastos da Olimpíada e vê reunião 'crucial' dia 27

Investimentos previstos para o evento ainda estão em fase de definição

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

21 de março de 2014 | 17h29

RIO - No último dia da sexta visita oficial ao Rio da comitiva do Comitê Olímpico Internacional (COI), encerrada nesta sexta-feira, a entidade voltou a admitir progressos da cidade na sua preparação para abrigar a Olimpíada de 2016, mas exibiu preocupação com o fato de os gastos previstos para o grande evento ainda estarem em fase de definição dos responsáveis pelos mesmos em vários setores.

No final de janeiro, a Autoridade Pública Olímpica (APO) apresentou a Matriz de Responsabilidades dos Jogos Olímpicos, documento que detalha a participação de cada nível de governo (municipal, estadual e federal), informando que fez uma previsão de gastos iniciais de R$ 5,64 bilhões com obras essenciais para a realização da competição. Porém, o documento que lista todas as intervenções necessárias para realização da Olimpíada prevê a execução total de 52 projetos e, naquela ocasião, menos da metade deles (24) já tinha orçamento ou custos definidos.

Nawal El Moutawakel, presidente da Comissão de Coordenação do COI, abriu a entrevista coletiva concedida por membros da entidade e do Comitê Rio-2016 nesta sexta com um discurso positivo. "Nossa visita foi muito intensa, profissional e gratificante. Recebemos muitas informações e ficamos muito felizes com o progresso desde a última visita, em setembro de 2013", disse a marroquina.

Ao mesmo tempo, porém, Nawal apontou que uma reunião, marcada para o próximo dia 27, em Brasília, com representante de todos os níveis de governo e do Comitê Rio-2016, é vista como "crucial" para o COI, que não contará com nenhum integrante presente neste encontro na capital federal.

Ao ser questionado sobre a razão de a reunião ser tão importante, Gilbert Felli, diretor executivo do COI para Jogos Olímpicos, foi enfático e deu um recado aos organizadores do evento. "É crucial porque os diferentes parceiros e níveis de governo ainda não chegaram a uma decisão final sobre a Matriz de Responsabilidades. Chegamos a um momento em que precisa se definir quem vai assumir o quê, porque isso pode impactar nos prazos", ressaltou.

Ao comentar sobre a questão do legado que os Jogos do Rio deveriam deixar, Felli também foi duro ao dizer: "Não é responsabilidade do COI discutir investimentos e legados. Isso é preocupação dos governos. Estamos preocupados com os prazos".

Presidente do Comitê Rio-2016 e do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman procurou minimizar o peso das cobranças feitas pelo COI ao também ser questionado sobre a reunião do próximo dia 27. "Essas reuniões são permanentes, com as com a Casa Civil, com o Ministério do Esporte, com o governo do Estado. Não são questões exclusivas, é só para acompanhar o desenvolvimento dos Jogos", disse o dirigente, que depois ressaltou: "Ela (a reunião) é crucial porque todas são, e essa será uma logo após a reunião de coordenação (realizada nesta semana com o COI)".

SEGURANÇA

O assunto segurança do Rio, que vive uma situação preocupante neste aspecto atualmente, também foi abordado pelos membros do COI nesta sexta. Na última quinta-feira à noite, Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) que ficam na zona norte da cidade foram atacadas por bandidos e o fato motivou o governador Sérgio Cabral (PMDB) e o secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, a pedirem o envio de tropas federais para garantir a segurança na capital fluminense.

"Segurança é prioridade na nossa agenda, não apenas para o COI, mas para todos os níveis de governo. Estamos tristes pelo que aconteceu, mas tenho certeza que o governo está atento", disse Nawal, que ainda exibiu confiança de que a Baia de Guanabara, afetada pela poluição, estará pronta para receber, em agosto, o seu primeiro evento-teste (em uma prova de vela) para os Jogos. "Nos foi dado garantia e estamos confiantes de que a Baia estará limpa. Nós não vamos nos perdoar se não entregarmos um lugar seguro para os atletas", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.