COI decide entre Istambul, Madri e Tóquio a sede da Olimpíada de 2020

Reunião em Buenos Aires vai escolher o novo palco; candidatas levaram seus mais fortes lobistas

ARIEL PALACIOS - Correspondente , O Estado de S. Paulo

07 de setembro de 2013 | 07h30

BUENOS AIRES - Neste sábado uma centena de integrantes do Comitê Olímpico Internacional (COI) define na 125.ª reunião da entidade qual será a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2020. A disputa está sendo travada pela espanhola Madri, a turca Istambul e a japonesa Tóquio, cidades que enviaram a Buenos Aires seus mais fortes lobistas.

Os espanhóis contam com o príncipe Felipe de Borbón e o premiê Mariano Rajoy, além da prefeita de Madri, Ana Botella. O Japão enviou o primeiro-ministro Shinzo Abe e a princesa Akiko, enquanto que os turcos estão representados pelo premiê Recep Tayyip Erdogan.

Fontes indicaram que as cidades possuem chances "similares" e que os votos estão sendo "disputados um a um". Algumas fontes citam uma relativa vantagem de Madri, enquanto que outras indicam que a balança estaria levemente a favor de Tóquio. Outras dizem que não seria estranho que o COI decida, tal como nas escolhas de Seul e Barcelona, décadas atrás, em dar um paso "ousado" e optar por Istambul.

ESPANHA 

Madri foi candidata para os jogos de 1972, ainda durante o regime franquista. Depois em 2012 e 2016. Os madrilenhos sustentam que contam como principal ativo o fato de ter 80% da infraestrutura pronta. Os espanhóis também alegam que possuem a maior experiência na Europa sobre recepção de turistas. No entanto, possui a desvantagem da lenta recuperação da economia, o desemprego e conflitos sociais. Outro fator que pesa contra é o desespero das autoridades em ser a sede para tenta melhorar a combalida imagem do premiê Mariano Rajoy e para afastar da mente dos espanhóis os escândalos envolvendo a família real. 

TURQUIA

Istambul pediu ser a sede dos Jogos no ano 2000, em 2004, 2008, 2012 e agora para 2020. Os turcos afirmam que não são mais um país "emergente", mas uma nação que já "emergiu". Os representantes turcos usam o argumento de que contam com a população mais jovem da Europa e afirmam que a Olimpíada nunca foi realizada em um país muçulmano.

Hassan Murad, veterano jogador de basquete da Turquia e presidente do Comitê Olímpico de seu país, responde com um amplo sorriso sobre os prós de Istambul, cidade localizada sobre o estreito do Bósforo, no encontro da Europa e da Ásia: "Dois continentes ao mesmo tempo! De manhã jogamos vôlei de praia na Ásia e à noite jogamos basquete na Europa. Isso aí não é bom demais?"

JAPÃO 

Tóquio apresenta-se como a "alternativa segura em tempos de incerteza" e exibe uma cidade economicamente estável sem protestos nas ruas. Os japoneses argumentam que contam com infraestrutura moderna e um elevado padrão de rigor ético que refletiria o espírito olímpico à risca. No entanto, pesa contra Tóquio o medo à radioatividade das usinas nucleares japonesas, especialmente após o vazamento da usina nuclear de Fukushima em 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaJogos OlímpicosCOI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.