COI detecta casos de doping de 2004

Comitê resolveu reavaliar amostras de sangue e urina colhidas em Atenas, enquanto Londres já tem sua primeira suspeita

JAMIL CHADE , ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2012 | 03h06

LONDRES - O doping volta a assombrar os Jogos Olímpicos e surge a primeira suspeita de um atleta de elite que poderia estar usando substâncias proibidas. Não bastasse isso, o Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou ontem que, oito anos depois dos Jogos de Atenas, atletas que pensaram que tinham conseguido sair do evento sem serem pegos no exame de doping poderão agora ser suspensos.

A instituição decidiu refazer testes em amostras de sangue e urina coletadas em 2004 - e que haviam dado resultados negativos. As novas tecnologias deixaram claro que alguns atletas podem ter competido com a ajuda de substâncias proibidas.

A primeira suspeita de doping em 2012 envolve a corredora marroquina Mariem Selsouli, cotada para a medalha de ouro nos 1.500 metros. Um exame feito no dia 6 de julho teria dado positivo e a federação de atletismo examina o caso. Entre 2009 e 2011, Mariem chegou a ser afastada do esporte, também por conta de doping, e foi ameaçada de ser impedida de participar dos Jogos de Londres.

Agora, teria usado um diurético proibido, em um teste realizado depois que ela fez o melhor tempo do ano em sua distância. Uma posicao final deve ser anunciada antes do final da semana.

Perseguidos pelo passado. O COI mantém as amostras de sangue e urina dos atletas por oito anos, quando então é obrigado a destrui-las. Mark Adams, diretor de Comunicação do COI, se recusa por enquanto a dar detalhes dos casos suspeitos de Atenas. Mas alerta que mais de cem testes foram refeitos e que uma parte deles acabou dando positivo. Não se exclui a possibilidade de uma punição retroativa aos atletas envolvidos.

Para o COI, isso demonstra como a busca por substâncias que incrementam o desempenho dos atletas está sempre um passo atrás da capacidade da entidade de identificá-los.

Em Atenas, a entidade olímpica registrou um recorde de casos de doping, com 26 atletas suspensos. Seis deles perderiam medalhas, inclusive dois ganhadores do ouro. O recorde anterior era de Los Angeles, em 1984. Naquela ocasião, foram 14 casos.

Agora, pelo menos cinco atletas teriam sido identificados como tendo competido com a ajuda de produtos proibidos em Atenas. Uma avaliação ainda está sendo feita dos casos, para garantir que uma confirmação final seja possível. Para os Jogos de Londres, pelo menos 300 testes já foram realizados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.