COI diz que 'há muito trabalho duro' a ser feito até os Jogos do Rio-2016

O 10.º e último encontro da Comissão de Coordenação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos Olímpicos foi encerrado nesta quarta-feira com um alerta: há muito trabalho duro a ser feito antes de os Jogos serem entregues. A afirmação foi da chefe da comissão, Nawal El Moutawakel, que, apesar de se mostrar satisfeita com a preparação do Rio, afirmou que "nestes 114 dias que faltam para os Jogos, milhares de detalhes ainda precisam ser ajustados".

MARCIO DOLZAN, Estadão Conteúdo

13 de abril de 2016 | 17h45

Nawal, que acompanha a preparação do Rio desde 2009, avaliou que o andamento das obras segue em bom ritmo. "Estamos com quase 98% de conclusão (das instalações) e nós pudemos conferir isso em visita ao Parque Olímpico", disse a marroquina. "Mas a última etapa é sempre a mais difícil".

Os "milhares e milhares" de detalhes apontados pelo COI são de toda ordem. "São tarefas precisam ser entregues. Varia desde acomodações até a conclusão das instalações olímpicas e falamos em conclusões porque há a questão de todas as estruturas temporárias que precisam ser instaladas", disse Christophe Dubi, diretor-executivo da comissão.

"Se você pegar a parte do transporte, está tudo muito bem estruturado, mas para toda encruzilhada que aparecer, temos que ter alternativas", exemplificou Dubi.

Os organizadores dos Jogos prometeram ao COI que o Velódromo, obra mais atrasada da Olimpíada, será entregue em junho - a previsão era de que ficasse pronto em dezembro do ano passado. A Linha 4 do Metrô, que liga a zona sul à Barra da Tijuca, por sua vez, ficará pronta em julho. A promessa foi dada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro nas reuniões desta semana.

A comissão do COI foi indagada diversas vezes sobre a crise política que vive o País, mas, como de costume, evitou o tema. "O COI é uma organização não política, não partidária e estamos avançando com nosso trabalho, apesar do ambiente complexo tanto do ponto de vista político quanto econômico", ponderou Nawal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.