COI elogia 'pacote equilibrado' de esportes propostos para os Jogos de Tóquio

Vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), John Coates está satisfeito com o "pacote equilibrado" de propostas de esportes a serem adicionados ao programa de eventos para os Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020 e espera que o skate seja representado em breve por uma única federação internacional para impulsionar a sua inclusão.

Estadão Conteúdo

14 de outubro de 2015 | 12h13

Uma proposta conjunta do beisebol e do softbol, o surfe, o skate, o caratê e a escalada esportiva foram recomendados no mês passado para inclusão no programa olímpico pela comissão organizadora dos Jogos de Tóquio.

A decisão final sobre qual esporte ou esportes serão adicionados ao programa olímpico será tomada pelo COI em agosto de 2016. Sob as novas regras do comitê, as cidades-sede podem propor a entrada de um ou mais esportes para o seu evento.

"Nossa reação é que é um bom pacote equilibrado", disse Coates nesta quarta-feira. "Temos esportes tradicionais, novos esportes inovadores com apelo aos jovens do mundo. Temos esportes ao ar livre, esportes indoor. Esta avaliação do pacote como um todo é muito importante", afirmou Coates, que estteve em Tóquio como representante do COI na "revisão do projeto" da preparação da cidade para a Olimpíada.

Em resposta a informações da imprensa citando a oposição de alguns grupos do skate a seu possível reconhecimento como evento olímpico, Coates disse que o COI só vai reconhecer apenas uma das várias federações internacionais que organizam o esporte.

"O skate é um esporte relativamente novo", disse Coates. "Há várias federações que realizam eventos de skate internacionalmente e nós estamos em discussão com eles e espero que uma das federações seja identificada em um futuro próximo com a qual vamos trabalhar e reconhecer".

O beisebol e o softbol estão fora do programa olímpico desde os Jogos de Pequim, em 2008, e sua proposta de inclusão conjunta é considerada favorita a ser incluída por causa da alta popularidade desses esportes no Japão.

Um recente escândalo de manipulação manchou a imagem do beisebol no Japão, mas Coates disse ser improvável que isso prejudique as chances do esporte voltar ao programa olímpico.

"Certamente o COI tem tolerância zero com apostas ilegais mos jogos", disse Coates. "Na elaboração das regras de participação dos atletas nos Jogos, nós deixamos bem claro que os atletas não estão autorizados a apostar em jogos", acrescentou. "Este problema não vai afetar a decisão a ser tomada sobre o beisebol", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Olimpíada de 2020COInovos esportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.