Mark Schiefelbein/EFE
Mark Schiefelbein/EFE

COI encerra visita a Pequim com elogios à candidatura olímpica

Cidade teria se adaptado bem à chamada 'Agenda 2020'

Estadão Conteúdo

29 de março de 2015 | 12h17

Os inspetores do Comitê Olímpico Internacional (COI) encerraram neste domingo a visita de quase uma semana a Pequim elogiando a candidatura chinesa para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. Na avaliação dos membros do COI, Pequim conseguiu se adaptar bem à chamada "Agenda 2020", as novas diretrizes da entidade para candidaturas e sedes olímpicas.

Em entrevista coletiva, o presidente do Comitê de Avaliação do COI, Alexander Zhukov, afirmou que Pequim apresentou um projeto olímpico mais sustentável e centrado nos atletas. Os chineses apostam na experiência e na infraestrutura obtida como sede dos Jogos Olímpicos de Verão, em 2008, para que Pequim se torne a primeira cidade do mundo a receber tanto a Olimpíada de Verão quanto a de Inverno.

"Nesta visita, pudemos ver que os Jogos de 2008 deixaram um profundo legado. Pudemos ver que o legado em nível de experiência e conhecimento por parte da equipe da candidatura de Pequim", destacou Zhukov.

Pequim é favorita em uma disputa na qual só permaneceram a cidade chinesa e a capital do Casaquistão, Almaty, depois da desistência das principais candidaturas europeias. Cidades da América do Norte não entraram na disputa porque o COI já havia indicado que a preferência era da Europa dentro do esquema de rodízio imposto pelo comitê.

Com apenas duas opções, Pequim sai na frente de Almaty por conta do know how obtido em 2008 e pela possibilidade de difundir o esporte de inverno no país mais populoso do mundo.

A candidatura chinesa, entretanto, também tem pontos negativos: a distância entre Pequim e a área montanhosa onde serão realizadas as competições de neve, a própria falta de neve natural, a poluição do ar e as críticas da comunidade internacional pelo desrespeito aos direitos humanos. A decisão será anunciada em 31 de julho, durante congresso do COI em Kuala Lumpur, na Malásia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.